Pesquisadores produzem manual técnico sobre moscas-das-frutas

Pesquisadores do Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, produziram o conteúdo técnico do “Manual de moscas-das-frutas: medidas para o controle sustentável”, disponibilizado gratuitamente de formas on-line e impressa pelo Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus).

A publicação reúne informações sobre as espécies de moscas-das-frutas prejudiciais aos citros, suas características, ocorrência, ciclo de vida e sintomas dos ataques, além das principais medidas para o monitoramento e manejo dentro das propriedades visando à manutenção da população em baixos níveis, com redução dos danos causados à produção. O conteúdo técnico da obra foi feito pelos pesquisadores do IB, Adalton Raga e Miguel Francisco de Souza Filho, sob coordenação de Haroldo Xavier Linhares Volpe, da Fundecitrus.

Segundo Raga, as moscas-das-frutas estão entre as mais importantes pragas de pomares comerciais no mundo. No Brasil, até o momento, duas espécies de moscas-das-frutas da família Tephritidae atacam plantas do cinturão citrícola: Anastrepha fraterculus e Ceratitis capitata. Estima-se que na safra de 2019/20, as moscas-das-frutas e o bicho-furão causaram queda de 4,29% de frutas cítricas no cinturão citrícola, o que representa, aproximadamente, 17 milhões de caixas de laranja. A praga só causou menos prejuízo do que os danos naturais e mecânicos, além do Greening.

“As duas espécies de mosca-das-frutas que ocorrem no cinturão citrícola de São Paulo causam prejuízos dentro e fora da porteira porque são pragas quarentenárias para países importadores de vários continentes e provocam restrição no comércio internacional de frutas frescas. Além disso, mesmo após a colheita, as larvas continuam se desenvolvendo em frutos assintomáticos, os quais são comercializados e, posteriormente, descartados pelo mercado varejista ou pelo consumidor”, afirma o pesquisador.

De acordo com os autores, o controle biológico de moscas-das-frutas no Estado de São Paulo teve início na primeira metade do século passado, com a tentativa de estabelecimento de uma espécie exótica de parasitoide da mosca-do-mediterrâneo Ceratitis capitata. Ainda nas décadas de 1930 e 1940, a citricultura paulista adotou as iscas tóxicas como ferramenta principal do manejo.

A partir da segunda metade do século passado, iniciou-se o uso de inseticidas em cobertura, especialmente organofosforados. O emprego de inseticidas foi intensificado com a introdução no Brasil de bactérias da CVC e do Greening, cujos insetos vetores exigiram pulverizações em cobertura.

“Recentemente, houve incremento dos danos causados por moscas-das-frutas na citricultura, mesmo nos pomares submetidos a aplicações sucessivas de defensivos visando ao controle de insetos vetores. É reduzido o número de propriedades que realizam o monitoramento e que adotam outros métodos de controle. O sucesso do manejo das moscas-das-frutas está ligado ao manejo ambiental, que depende muito do conhecimento e das ações de manejo além dos limites dos talhões”, afirmam os autores.

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Últimas notícias

Países produtores mundiais de café se reúnem em defesa da produção contra restrições da União Europeia

Os produtores mundiais de café estão preocupados com a proposta de legislação apresentada ...

Recursos do Pronaf no Plano Safra irão aumentar em 12%

Foto: Divulgação/MAPA Em virtude da forte demanda por financiamentos de custeio no Pronaf, ...

Conab estima safra recorde para milho 2ª safra com produção superior a 87 milhões de toneladas

Foto: iStock Os produtores de milho deverão colher na segunda safra do cereal ...

Café regenerativo do Cerrado será lançado no próximo sábado em Minas Gerais

Foto: Guima Café O Guima Café, marca de café especial do Grupo BMG, ...

Festuris Gramado terá participação da Argentina

Foto: Divulgação/Festuris Com o retorno frenético do mercado turístico, as viagens, inclusive internacionais, ...