Produtores de cana-de-açúcar estão preocupados com ano de poucas chuvas

Até o último dia 1º de agosto, a moagem de cana-de-açúcar apresentou uma retração de 7,31% quando comparado ao mesmo período do último ciclo agrícola (safra 20/21). Já o impacto no rendimento dos canaviais foi ainda maior, segundo o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC).

A safra 2021/22 de cana-de-açúcar deve ser 15% menor do que a safra anterior, como estima a Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil, com uma produção de aproximadamente 530 milhões de toneladas no Centro-Sul do Brasil, depois de um longo período de estiagem.

A continuidade do tempo seco sobre o Centro-Sul, aliada à ocorrência de geadas em áreas produtoras de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná, aumentou as preocupações em torno do real tamanho da quebra de safra em 2021/22.

De acordo com a União das Indústrias de Cana-de-Açúcar (UNICA), a primeira metade de julho/21 registrou o processamento de 45,6 milhões de toneladas de cana, 2,4% a menos do que o volume obtido na moagem do mesmo período na temporada passada. As poucas chuvas exigiram alterações no cronograma de colheita em algumas regiões, impactando o rendimento da lavoura.

Para Leonnardo Ferreira Lopes, diretor de Operações da Yes, a ausência de chuvas contribui para projeções pouco otimistas em relação a duração da safra atual e, em médio prazo, para a safra 2022/2023.

“Observamos em 2021 as menores médias de chuva dos últimos 30 anos. A deficiência hídrica prejudicou o crescimento da cana, reduzindo a quantidade total da produção em toneladas. Este fato consequentemente reduz o período de moagem e promove o encerramento prematuro da safra”, pontua Lopes.

Para ele, é preciso planejamento para enfrentar esse momento. Como uma forma de mitigar essa quebra na produção de cana-de-açúcar, Lopes acredita que produtores e usinas devem investir na produtividade da cana através de tecnologias que podem aumentar a produtividade da lavoura.

“A menor safra de cana-de-açúcar no Brasil deve impactar na produção dos derivados de levedura utilizados para a nutrição animal. Quanto menor o período de safra, maior a necessidade de estocagem do produto a fim de manter o abastecimento”, pontua.

Para o executivo, a quebra da safra deve ser compensada pelos maiores preços de comercialização. “Esses mesmos preços mais elevados de açúcar e de etanol deveriam ajudar a manter as margens das usinas mesmo frente a um aumento relevante dos custos unitários oriundos de insumos mais caros, um volume menor de moagem e de produção. Conhecemos os desafios da produção e das usinas, e sabemos que são enormes no Brasil, além dos fatores internacionais que modificam diariamente as negociações. A atual situação deixou o cenário ainda mais preocupante. O risco de redução drástica na produção é grande, puxado, principalmente, pela seca”, finaliza Lopes.

Fonte: Yes

Últimas notícias

Valor da contribuição mensal do MEI vai aumentar em fevereiro

Os microempreendedores individuais devem ficar atentos ao reajuste na contribuição mensal, que passa ...

Impacto ambiental urbano pode ser maior que do agro

O Brasil teve um ano de destaque no direito ambiental e terá que ...

Produção de café deve atingir 55,7 milhões de sacas na safra de 2022

Os produtores de café deverão colher a terceira maior safra do grão neste ...

Produtores celebram colheita e resultados da primeira safra de Uvas em Guarapari

Sandra Butke, em suas parreiras no início da produção. Para diversos produtores rurais ...

Ceasa-ES orienta produtores sobre armazenamento adequado de alimentos

A ação, que teve início na última quinta-feira (13) e tem previsão de ...