Qual é o impacto dos agroquímicos sobre as abelhas nativas brasileiras?

Foto: Incaper

O desenvolvimento da pesquisa só foi possível por meio de uma parceria entre a Universidade Federal de Viçosa (UFV), o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e o Instituto Estadual de Meio Ambiente (IEMA)

O impacto dos agroquímicos têm chamado a atenção para o desenvolvimento de abelhas nativas brasileiras. Por este motivo, em 2017, foi dado início a uma pesquisa que avalia a toxicidade letal e subletal de múltiplos agroquímicos sobre as abelhas comerciais Apis mellifera L., e sobre a abelha nativa sem ferrão Melipona capixaba, que está ameaçada de extinção.

Anúncio

O desenvolvimento da pesquisa só foi possível por meio de uma parceria entre a Universidade Federal de Viçosa (UFV), o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e o Instituto Estadual de Meio Ambiente (IEMA).

Anúncio

Os ensaios aconteceram com as abelhas expostas aos diferentes agroquímicos, no Laboratório de Entomologia do Centro de Pesquisa Desenvolvimento e Inovação Serrano, do Incaper. Foram utilizados os herbicidas glifosato, ou o “Roundup”, o fungicida Mancozeb e o inseticida Tiametoxam.

A pesquisa fez parte da dissertação de Mestrado da estudante Ingrid Naiara Gomes, sob a orientação do professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Helder Resende e sob a coorientação do pesquisador do Incaper, doutor José Salazar Zanúncio Júnior.

Os resultados e os detalhes da pesquisa podem ser encontrados no artigo intitulado “A sobrevivência e a capacidade de voô das abelhas comerciais e das abelhas sem ferrão ameaçadas de extinção são prejudicadas pelos agroquímicos comuns”, acessível na pagina Internacional Springer, da Alemanha, considerada uma das maiores editoras de livros e revistas científicas do mundo.

Dentre os resultados apontados, está que nenhum dos agroquímicos causou repelência alimentar nas abelhas. No entanto, alguns deles causaram alta mortalidade, alterações na capacidade de voô das abelhas.

“Esse foi um trabalho de pesquisa, realizado a várias mãos, que destacam a importância de testar o impacto de múltiplos agroquímicos, ou seja, não apenas de inseticidas, através de diferentes rotas de exposição, o que nos leva a compreender, de forma mais abrangente, os riscos potenciais tanto para as abelhas Apis quanto as abelhas nativas sem ferrão”, frizou Salazar.

Fonte: Incaper

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Campeonato Brasileiro de Blends de Café será realizado no São Paulo Coffee Festival

Foto: Freepik A Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) realizará a etapa ...

Equipes coletam dados para nova pesquisa da Conab da safra brasileira de grãos

Foto: iStock Farmer handful of harvested corn kernels from the heap loaded into ...

Comidas típicas da festa junina contam com 36% de impostos no preço final

Foto: Julio Huber A chegada das festas juninas costuma ser motivo de alegria ...

Capixaba é eleito o melhor criador e expositor na Megaleite 2024 na categoria CCG 1/2 Hol + 1/2 Gir

Encerrada a 19ª edição da Megaleite no último sábado (15), a Associação Brasileira ...

Equipamento promete secagem de cafés especiais em menos de 24 horas

Tecnologia desenvolvida pela Dryeration, foi testada e aprovada por produtores da Alta Mogiana ...