Sistema alimentar mundial poderá ter problemas, diz FAO

Foto: Pixabay

Para a FAO, não há restrições em relação à disponibilidade de alimentos. No entanto, poderão haver dificuldades logísticas, na medida em que as cadeias de distribuição podem ser afetadas pelo “lockdown”

A agência das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), alertou para a possibilidade de problemas na cadeia alimentar global, a partir de abril ou maio, principalmente em relação à logística, em virtude do novo Coronavírus.

Segundo a FAO, perturbações no setor agrícola e na produção de alimentos, impactando as colheitas, poderão ocorrer diante do aumento dos casos de Covid-19 no mundo e de outras medidas preventivas adotadas para combater o vírus, como o confinamento de pessoas, além da redução da oferta de mão de obra.

No entanto, a FAO reconhece que, até o momento, o sistema de abastecimento continua estável, com mínimas interrupções, e considera que as previsões para as principais culturas são otimistas, com destaque para os elevados estoques de cereais.

LOGÍSTICA – Segundo o economista-chefe da FAO,  Maximo ToreroCullen, não há problemas em relação à disponibilidade de alimentos. Para ele, no entanto, poderão haver dificuldades logísticas, na medida em que as cadeias de distribuição podem ser afetadas pelo “lockdown”, considerando ainda o caráter perecível dos alimentos.

“Se os países ficarem nervosos, isso poderá levar os exportadores a impor restrições à exportação, e é algo que deve ser evitado”, disse o economista.

“No lado de commodities de alto valor, produtos perecíveis demandam muito trabalho e, portanto, a parte da produção pode ser afetada pela redução na oferta de mão-de-obra, devido a aspectos de doenças ou pelo ‘lockdown’ que está afetando o fluxo de trabalhadores temporários (migrantes)”.

Para o economista, “se a cadeia de valor não estiver protegida, é possível que ocorram problemas de preço e possível escassez de alimentos, especialmente de produtos como frutas e vegetais, porque são mais trabalhosos e serão mais afetados por problemas logísticos”.

EXPORTAÇÕES – Em relação aos exportadores brasileiros, Maximo disse que, diante da crise, a oferta será afetada “principalmente por problemas logísticos e trabalhistas, devido a doenças ou incapacidade de mover-se para o trabalho”.

O economista comentou que em Mato Grosso, por exemplo, na cidade de Canarana, o Prefeito baixou um decreto para frear a propagação do Coronavírus e a medida poderá interromper a logística de exportação de grãos e as operações das principais tradings agrícolas.

Maximo observou ainda que a crise vai gerar uma recessão “e isso vai se refletir na demanda, podendo afetar os preços, levando-os à baixa no futuro próximo”. Além disso, ele afirma que a estrutura de custos do setor agrícola brasileiro será afetada pela desvalorização do real.

CARNES – Para a FAO, em tempos de Coronavírus, a diminuição do consumo de carnes será um dos efeitos do atual cenário. “A indústria tem três problemas. Tem o efeito oferta. O problema logístico está afetando o segmento de carnes, já muito fechado por causa de quarentena. Isso é algo a evitar, tomando-se medidas de saúde necessárias para os empregados”, destacou Maximo.

Outro problema, segundo ele, é o efeito demanda. Uma possível recessão “vai reduzir a demanda e isso afetará os preços das carnes para uma baixa”. Por fim, completou, “as informações, sem base científica, de que o Covid-19 teria sido transmitido de animais para humanos, faz com que os consumidores passem a evitar o produto”.

Embora para o economista seja ainda cedo para estimar uma possível baixa de produção de grãos, ele salienta que “a queda no crescimento econômico mundial como resultado do Coronavírus afetará negativamente a demanda e, portanto, os preços”.

Fonte: Valor Econômico

Últimas notícias

Tratoraço reúne mais de dois mil veículos contra taxação do ICMS

Um tratoraço realizado na manhã de ontem (14), na Avenida Coronel Marcondes, em ...

Valor da Produção Agropecuária de 2020 é o maior da história

Foto: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil A carne bovina foi um ...

Conab vende mais de 140 mil toneladas de milho para pequenos criadores em 2020

A comercialização de milho dos estoques do governo federal pôde beneficiar mais de ...

Projeto faz reúso de água para produção de alimentos

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) ...

Idaf registra primeira agroindústria de 2021 em Ibitirama

Uma queijaria de Ibitirama foi o primeiro estabelecimento de 2021 registrado junto ao ...