Sobe para 13 o número de casos de Influenza Aviária em aves silvestres no Brasil

Foto: J. Patrick Fischer/ Wikipedia

O Rio Grande do Sul registrou o primeiro foco de influenza aviária em aves silvestres

Foi confirmado na noite desta segunda-feira (29) o primeiro foco de influenza aviária de alta patogenicidade (H5N1) no estado do Rio Grande do Sul, na ave silvestre da espécie Cygnus melancoryphus (nome popular cisne-de-pescoço-preto), encontrada na Estação Ecológica do Taim, sul do Estado. O local já foi interditado para visitação.

Continua após o anúncio

Outros dois casos em aves silvestres também foram confirmados: um Thalasseus acuflavidus (nome popular Trinta-réis-de-bando) na Ilha do Governador, na capital do Rio de Janeiro, e um Sterna hirundo (nome popular Trinta-réis-boreal), no município de Piúma no Espírito Santo.

Com os casos notificados hoje, sobe para 13 o número de confirmações de casos em aves silvestres no Brasil, sendo nove no estado do Espírito Santo, nos municípios de Marataízes, Cariacica, Vitória, Nova Venécia, Linhares, Itapemirim, Serra e Piúma, três casos no estado do Rio de Janeiro, em São João da Barra, Cabo Frio e Ilha do Governador, e um no sul do Rio Grande do Sul.

A doença já foi identificada ao todo em seis espécies: Thalasseus acuflavidus (trinta-réis de bando), Sula leucogaster (atobá-pardo), Thalasseus maximus (trinta-réis-real), Sterna hirundo (Trinta-réis-boreal), Megascops choliba (corujinha-do-mato) e Cygnus melancoryphus (cisne-de-pescoço-preto).

É importante lembrar que doença não é transmitida pelo consumo de carne de aves e nem de ovos. As infecções humanas pelo vírus da Influenza Aviária podem ser adquiridas, principalmente, por meio do contato direto com aves infectadas (vivas ou mortas). Deste modo, pedimos para que a população evite contato com aves doentes ou mortas e acione o serviço veterinário local ou realize a notificação por meio do e-Sisbravet.

O Mapa segue em alerta e informa que com a intensificação das ações de vigilância é comum e esperado o aumento de notificações sobre mortalidades de aves silvestres em diferentes pontos do litoral do Brasil.

O Brasil continua livre de influenza aviária na criação comercial e mantém seu status de livre de influenza aviária, exportando seus produtos para consumo de forma segura. O consumo de carne e ovos se mantém seguro no país.

Fonte: Ministério da Agricultura

Últimas notícias

Veja o calendário do período de andada do caranguejo-uçá em 2024

Foto: Anders Schmidt A Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) já ...

Rondônia leva título de melhor cacau do Brasil e desponta no mercado de qualidade

V Concurso Nacional de Cacau Especial premiou ainda amêndoas do Pará e da ...

Sustentabilidade na produção dos cafés capixabas atrai parceria com a Plataforma Global de Café

O Espírito Santo é uma referência nacional e mundial na produção de café, ...

Mais de 200 revendas que comercializam aves vivas são fiscalizadas no ES

Mais de 200 revendas que comercializam aves vivas foram fiscalizadas durante uma operação ...

Deputados se reúnem para elaborar planejamento estratégico do Poder Legislativo capixaba

Foto: Antônio Carlos Tonico O presidente vai reunir parlamentares, facilitadores e palestrantes como ...