Suplementação correta na estação das águas potencializa ganho

De volta, durante a estação das águas, a velha e boa discussão: com a pastagem ainda bonita, no melhor período do ano, há necessidade de suplementar o gado?  Sim, deve-se suplementar, pois é nas águas que o produtor se prepara para enfrentar com coragem, e ainda com bastante tempo, o fantasma da seca, que lhe acenará a partir de maio ou junho.

Segundo o médico veterinário da Matsuda, Marco Finardi, mesmo estando no período chuvoso, onde se tem melhor qualidade nutricional das forragens, bem como maior abundância, é sim, extremamente importante que se faça o fornecimento de suplementos minerais para bovinos, uma vez que neste período do ano, por ter alimentos volumosos com melhor qualidade, temos também a maior capacidade de ingestão de alimento pelos animais, o que leva a um metabolismo mais acelerado, que então acaba por demandar mais elementos minerais.

“É exatamente nesta fase do ano, onde pela falta de suplementação mineral, podem ocorrer quadros de deficiência mineral. Devemos lembrar que os minerais são importantes para diversas funções orgânicas nos animais, que vão desde a formação óssea, metabolismo proteico e energético, atividade imunológica e reprodutiva, formação de vitaminas, dentre outras. Ainda, os minerais são elementos inorgânicos, ou seja, nenhum ser vivo consegue sintetizá-los”, explica.

Desta forma, segundo ele, sempre haverá a necessidade de os animais receberem minerais. “O ideal seria que a pastagem fosse um alimento completo, que conseguisse fornecer todos os nutrientes em quantidades que atendam a necessidade dos animais, mas sabemos que isso não ocorre, sendo que os minerais são um dos nutrientes que as forragens não conseguem atender 100% das exigências. Ainda, devemos lembrar, que quando buscamos explorar um maior potencial de produção, ou seja, fazer com que os animais produzam o máximo do seu potencial genético, aumentamos ainda mais os requerimentos nutricionais dos animais, sendo que dentre eles, encontram-se os minerais”, comentou Marco.

Para o médico veterinário da Matsuda, a suplementação mineral se faz necessária durante todo o ano, já que o requerimento mineral pelos animais é constante, variando conforme a idade e produtividade, e oferecer somente a forragem como fonte de minerais não consegue atender esta demanda.

“Ainda devemos lembrar que a qualidade nutricional da forragem oscila conforme a época do ano, sendo que temos uma melhor qualidade no período de águas, que decresce já no final do período chuvoso, passando pelo período de transição águas/seca e então tem seu declínio ainda maior durante o período de seca, momento em que temos uma diminuição drástica na qualidade nutricional da forragem. Pode haver uma diminuição de até 80% nos níveis de minerais de uma forragem, quando comparamos esta forragem entre o período de águas e seca. Desta forma, a suplementação mineral se faz necessária durante o ano todo”, afirma.

Com um maior volume de chuvas, dias mais longos e as temperaturas mais altas, o pasto mostra uma boa taxa de crescimento e o manejo adequado, fará com que o animal apresente um melhor ganho de peso. E para conseguir potencializar o desempenho dos animais é importante o fornecimento de elementos minerais, que são essenciais para o correto funcionamento do organismo e produção.

“Além disso, é importante lembrarmos, que neste período do ano temos em várias situações níveis de proteína que atendem a necessidade para que haja alta produção, mas, os níveis de energia da forragem, não são suficientes para que haja um adequado sincronismo dentro do rúmen. Para o máximo de eficiência produtiva é importante que tenhamos uma relação de proteína e energia de 1:7. Muitas vezes, nesta época do ano, mesmo com a melhor qualidade nutricional da forragem, não conseguimos esta relação, o que impacta na produtividade”, informou.

Desta forma, a utilização de suplementos minerais proteico energéticos, específicos para o período de águas, é uma importante ferramenta para equilibrar esta relação proteína. Segundo Finardi, a forma correta de se suplementar os animais, é fazendo uso de formulações específicas para cada espécie animal, bem como também categoria animal.

“Cada formulação e tipo de suplemento apresentam uma característica própria, para determinado período do ano ou categoria animal. É importante a aquisição pelo produtor, de formulações específicas, além sempre de seguir as recomendações de rótulo para utilização do produto, como adaptação dos animais, metragem de cocho correta, fornecimento frequente e constante, além da aferição de consumo. Somente com os animais consumindo a quantidade recomendada pelo fabricante é que se conseguirá realmente suprir as necessidades dos animais e, desta forma, ter alta produtividade”, orienta o médico veterinário da Matsuda.

SAL DE QUALIDADE – Embora ainda exista este mito de que ‘sal mineral é tudo igual’ e que o fósforo é o mineral mais importante, Finardi explica que quando se pensa no fósforo, realmente ele é um dos minerais extremamente importantes para o correto funcionamento do organismo e produção, mas não é o único.

“A afirmação de que todo sal mineral é igual é inverídica, uma vez que podem haver diversas diferenças entre formulações. Primeiramente relacionada a concentração de minerais contida nestas formulações. Em muitos casos, os produtores somente se preocupam com o mineral fósforo. Podemos comparar entre formulações para verificar a sua similaridade, a concentração de fósforo, mas é importante que também avaliemos os outros elementos minerais, principalmente microminerais, uma vez que estes minerais traços, exigidos em pequenas quantidades, também são fundamentais para o correto funcionamento do organismo”, informou.

O veterinário cita que esses ingredientes são fundamentais para o correto funcionamento do sistema reprodutivo e imunológico, sendo que a falta destes microminerais no organismo podem prejudicar a eficiência do sistema imunológico, possibilitando uma debilidade imunológica e consequentemente o surgimento de doenças nos animais.

“Em relação à reprodução, a falta de minerais pode ocasionar uma perda de eficiência e consequentemente diminuição da produtividade. É sempre importante que o produtor procure por empresas idôneas, estabelecidas no mercado e que possam ser auxiliados pelo corpo técnico para que possa esclarecer dúvidas e auxiliar na escolha de qual a melhor formulação a ser utilizada para determinada espécie, categoria animal e época do ano”, destaca.

Fonte: Taxi Blue

Últimas notícias

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...

Campanha pretende estimula consumo do produto no país

Tema foi debatido durante reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite ...

Conab afirma que clima prejudica oferta de hortaliças e frutas no país

Quem procura preços baixos no atacado terá que aguardar mais um pouco até ...

Congresso Brasil-Alemanha de Inovação acolhe também o tema de sustentabilidade

Um dos eventos mais tradicionais do ecossistema brasileiro de inovação e o maior ...