Valor do mercado de defensivos agrícolas aplicados recua 10,4% em 2020

Tractor spraying soybean field at spring

O mercado de defensivos agrícolas teve redução de 10,4% no valor em dólar em 2020, com faturamento de US$ 12,1 bilhões – em 2019, a receita atingiu US$ 13,5 bilhões. Os dados referem-se a produtos aplicados e são divulgados pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), a partir de levantamento encomendado a consultoria especializada.

“De janeiro a dezembro de 2020, a perda cambial foi de 18,5% para o setor”, informa o presidente do Sindiveg, Júlio Borges. “A consistente desvalorização do real frente ao dólar é um importante desafio para a indústria de defensivos agrícolas, uma vez que a maior parte dos custos está na importação de insumos e matérias-primas”, complementa.

De acordo com o presidente do Sindiveg, devido à elevada variação cambial ainda não foi possível repassar integralmente o aumento dos custos em 2020, o que deve acontecer este ano. O aumento dos preços dos insumos deve ser agravado pele elevação de preços de matérias-primas da China, bem como o custo da logística, que dobrou por escassez de contêineres e navios.

“A valorização da moeda chinesa em relação ao dólar, impulsionada pela perspectiva de crescimento da economia local, que deve atingir o maior pico em dois anos, e o aumento generalizado dos custos das matérias-primas e embalagens – como papelão e resinas – têm pressionado a indústria a reajustar seus preços para a próxima safra”, explica Júlio Borges.

Apesar da queda do valor de produtos aplicados em dólar (1,4 ponto percentual inferior à projeção feita pela entidade em dezembro), em real o valor do mercado de defensivos agrícolas aumentou 10%: de R$ 53,8 bilhões para R$ 59,1 bilhões. Em moeda norte-americana, é a primeira vez que o setor tem queda de faturamento em cinco anos analisados.

O Sindiveg ressalta que o tamanho do mercado de defensivos agrícolas não é medido a partir do valor dos produtos vendidos pela indústria, mas pelo preço que o produtor rural paga pelos insumos que efetivamente utiliza na sua propriedade. Assim, nesse valor, além do custo de comércio da indústria, está embutida também a margem de lucro das distribuidoras.

“Importante ressaltar que a área tratada com defensivos agrícolas foi maior em 2020 principalmente por dois fatores. Um deles é a ampliação da área de plantio de diversas culturas. Outro motivo fundamental está ligado ao aumento da pressão dos desafios fitossanitários nas lavouras, especialmente insetos, fungos e plantas daninhas resistentes”, destaca o presidente do sindicato.

A área tratada com defensivos cresceu 6,9% no país, chegando a 1,6 bilhão de hectares (107 milhões ha a mais que em 2019). O cálculo da área tratada considera o volume de produtos e de aplicações de insumos, assim como a área cultivada, e ajuda a compreender o cenário de utilização dos defensivos, essenciais para a produtividade da agricultura do país.

Fonte: Texto Comunicação Corporativa

Últimas notícias

Incaper lança sistema eletrônico de avaliação de sustentabilidade da cafeicultura

Foto: Divulgação Incaper A sustentabilidade na cafeicultura é um dos ideais que norteiam ...

Inscrições para coordenação de pesquisa sobre peixes começam na segunda-feira (24)

As inscrições para a seleção de coordenador de projeto de pesquisa do Instituto ...

Venda Nova do Imigrante é destaque em projeto de qualificação do turismo rural

A rota de Agroturismo em Venda Nova do Imigrante foi validado pelo Ministério ...

Café: números da exportação demonstram a força da produção

Com a recente divulgação dos dados de exportação do café brasileiro fica claro ...

Batata apresenta queda de preços enquanto cebola sobe nas Centrais de Abastecimento

Um dos tubérculos mais utilizados na culinária brasileira, a batata apresentou oferta recorde ...