Zona franca de Dubai busca parceiros do setor de café verde

Câmara Árabe procura interessados em aproximação com a zona franca DMCC, que recebe, processa e exporta produtos como café a partir dos Emirados

A zona franca Dubai Multi Commodities Centre (DMCC), de Dubai, quer atrair empresas brasileiras para estruturar operações de beneficiamento de café. A informação foi divulgada pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira, que busca parceiros no Brasil para a instituição especializada na recepção, processamento e exportação de commodities a partir do emirado.

Os parceiros buscados são empresas capazes de fornecer o grão verde ou interessadas em comercializar café beneficiado no Oriente Médio a partir de Dubai. O emirado é um dos maiores centros de redistribuição de mercadorias do mundo, contando com várias zonas francas especializadas em diferentes segmentos econômicos.

Anúncio

Segundo Rafael Solimeo, chefe do escritório da Câmara Árabe em Dubai, o objetivo é aproveitar a presença de exportadores de café brasileiros na feira de alimentos e bebidas Gulfood, que será realizada no emirado de 13 a 17 de fevereiro, para apresentar o projeto e discutir eventuais parcerias.

Anúncio

“A DMCC tem um centro de café que pode ser utilizado para beneficiar o grão verde, e, na Gulfood, vamos propor: por que não trazer o seu café para cá, beneficiá-lo [na DMCC], adicionar o cardamomo [usado na preparação do café árabe tradicional] e vender para a Arábia Saudita, Omã ou para o Bahrein”, avalia.

Em novembro do ano passado, o presidente da DMCC, Ahmed Sultan Bin Sulayem, esteve no Brasil para apresentar o recém-inaugurado centro de cacau da DMCC a indústrias de beneficiamento da amêndoa — a Cacau Show entre elas — e fazendas produtoras do fruto.

Em entrevista ao canal de TV Terraviva, ele explicou que todos os centros de beneficiamento da zona franca contam com serviços de industrialização que podem ser usados pelas empresas interessadas em se instalarem no local. “É um benefício importante para startups e empresas novatas nos Emirados, na medida em que elas não precisam comprar equipamentos, apenas utilizar nossos serviços, economizando tempo e dinheiro”, disse Sulayem.

A zona franca foi inaugurada em 2002 com o objetivo de atrair commodities alimentares de todo mundo e exportá-las de Dubai para outros países, sejam processadas ou in natura. Além dos centros de cacau e café, a organização também conta com um centro de beneficiamento para diversos tipos de chás.

Fonte: Agência de Notícias Brasil-Árabe

Anúncio

Anúncio

Últimas notícias

Consumo de café solúvel cresce 5,3% no trimestre

Setor vem em expansão desde 2016; avanço reflete investimentos em qualidade, diversidade, formação ...

ES+Café irá promover imersão no universo da cafeicultura capixaba

A Feira ES+Café irá promover uma verdadeira imersão no universo da cafeicultura capixaba ...

Projeto entrega novas barracas a feirantes de Vitória

Foto: Marcos Salles Entrega das novas barracas das Feiras Livre Os feirantes que ...

Como plantar mais café em espaço reduzido?

O pesquisador do Incaper, Paulo Sérgio Volpi, destacou que o jardim clonal superadensado ...

Parceria estratégica do Sistema OCB busca fortalecer cadeia de lácteos

Foto: Reprodução / Sistema OCB Unidade nacional se reuniu com Conselho dos Exportadores ...