Venda casada em crédito rural é ilegal e agricultor pode denunciar

Foto: Camila Domingues/Palácio Piratini

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, defendeu um esforço do governo junto a entidades do agro e bancos para combater a venda casada no agronegócio. O pedido foi feito em um seminário online, que contou com a participação dos ministros da Justiça, André Mendonça, e da Agricultura, Tereza Cristina. 

Segundo João Martins, a venda casada é uma prática ilegal, em que a liberação do crédito rural vem acompanhada da contratação de outros serviços ou produtos bancários, como títulos de capitalização e seguros não relacionados à produção. Há cerca de um ano, os ministérios e a CNA assinaram um acordo para combater este tipo de crime. 

No seminário, a ministra Tereza Cristina anunciou uma plataforma do Mapa para que o produtor possa denunciar esse tipo de prática. A ferramenta já está disponível para acesso no site do Ministério da Agricultura. Em estudo da confederação, o título de capitalização (53%) e o consórcio (25%) foram os principais serviços que produtores tiveram que adquirir para conseguir financiamento dentro da venda casada.

Clique aqui para fazer a denúncia!

Fonte: Brasil 61

Últimas notícias

Menor oferta mundial de café impulsiona valores futuros

Os contratos futuros do café arábica tiveram desempenho positivo nesta semana, voltando a ...

Doze municípios do Espírito Santo passam para risco baixo de contaminação da Covid-19

O Governo do Estado anunciou, nesta sexta-feira (07), o 54º Mapa de Risco ...

Seminário discute déficit de armazenagem para grãos e aponta soluções emergenciais

A constatação da necessidade de aumentar o espaço para armazenar grãos nas principais ...

Conquistas no campo são alcançadas com o auxílio da Contribuição Sindical Rural

A Contribuição Sindical Rural (CSR) fortalece a categoria rural, e, é através dela ...

Ceasa-ES inicia coleta de culturas de produtos do mercado para análise

Ação vem sendo realizada em parceria com o MPES e a Vigilância Sanitária ...