“A safra 2020 de café do Brasil não será recorde”

Foto: Julio Huber

“A safra 2020 de café do Brasil não será recorde e se situará próxima a 60 milhões de sacas, conforme os números oficiais levantados pelo governo federal”. A afirmação é de Silas Brasileiro, presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), diante das especulações existentes sobre o volume a ser colhido pelo país na temporada atual.

Para ele, os insistentes números apresentados por agentes internacionais podem ter a intenção de depreciar as cotações do produto. “Esquecem-se, porém, que tirar a renda e a competitividade do produtor, impactará significativamente na produção em médio e longo prazo, pois veremos uma oferta em declínio e a consequente elevação dos preços diante da falta de café”, afirma.

Brasileiro recorda que o cenário ideal é o equilíbrio na balança de oferta e demanda, com todos os agentes recebendo suas margens. “Volumes de produção e consumo equilibrados geram ganhos a todos os segmentos, a sustentabilidade econômica da cadeia e evita-se sobrepreços aos consumidores”, analisa.

O alerta do presidente do CNC se dá em meio a um cenário de incertezas quanto ao consumo da bebida em função dos impactos da pandemia da Covid-19. Segundo ele, a flexibilização que vem ocorrendo na Europa e na Ásia, continentes que contém grandes países consumidores e importadores do café brasileiro, permite a retomada do consumo fora de casa.

“Com essa abertura de cafeterias, restaurantes e demais estabelecimentos, teremos uma sinalização de qual será o impacto no consumo. Não podemos esquecer que o inverno ainda está para chegar no Hemisfério Norte e a tendência é que se consuma mais café”, recorda.

“A partir de setembro, já vemos as folhas das árvores mudando para uma coloração amarronzada e sentimos o clima bem mais frio em potenciais países consumidores”, completa. Em relação à oferta do maior produtor mundial, Brasileiro recorda que a colheita avançou para pouco mais da metade atualmente e que ainda há que se ficar atento ao clima nos próximos dias.

“Temos previsão para a chegada de uma frente fria na próxima semana, que derrubará as temperaturas no cinturão produtor de Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo e Paraná. Precisa-se monitorar para ver se não há possibilidade de geadas, assim como também ficar de olho para a ocorrência de chuvas, as quais afetam a qualidade do café na época da colheita”, alerta.

Brasileiro conclui reforçando que o CNC sempre se posicionará de maneira coerente, com números reais sobre oferta e demanda, “para que o cafeicultor possa planejar sua atividade e ter o melhor desempenho possível”.

Fonte: CNC

Últimas notícias

Prêmio Excelência de Qualidade Realcafé Reserva anuncia os finalistas

O Prêmio Excelência de Qualidade Realcafé Reserva já tem os 20 finalistas da ...

Agrishow anuncia alteração da data de realização na edição 2021

A Agrishow anunciou a alteração da data de sua 27ª edição para os ...

Sócio da Cooabriel conquista primeiro lugar no concurso Coffee Of The Year 2020

No dia 20 de novembro, foi divulgado pela Semana Internacional do Café, os ...

ExpoSul RaízES começa nesta quarta (02)

O Parque de Exposições de Cachoeiro reabre os portões para receber uma edição ...

Seca no Brasil tende a pressionar preços de café arábica

Tradings de café começam a ter ideia da extensão dos problemas climáticos no ...