Agricultor transforma sítio dedicado ao paisagismo à piscicultura

O produtor rural Edmar Campanha do município de Castelo, no Espírito Santo, saiu do paisagismo para a produção de pirarucu com apoio da Assistência Técnica e Gerencial do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Ele e a família começaram a plantar árvores por hobbie e o pirarucu entrou para complementar o paisagismo. “A macadâmia veio, o lago entrou para irrigar as macadâmias e acabamos inserindo o pirarucu. A primeira ninhada há quatro anos tinha 180 peixes, daí comecei a me interessar e a pesquisar”, conta.

O produtor tem cinco viveiros e um laboratório e a renda extra da família vem da comercialização de alevinos para ornamentação ou engorda para consumo.

“A minha ideia é ir subindo paulatinamente à medida que vou ganhando experiência, mas gostaria de trabalhar com o mínimo de cinco mil animais e a meta de 10 mil peixes/ano”, explica Campanha.

A assistência técnica do Senar traz orientações mensais para o produtor, seja para alimentação dos peixes ou para o gerenciamento da propriedade. Uma das sugestões do técnico de campo foi a criação de um tanque para formação de plâncton, substância natural que serve para alimentação dos alevinos.

“A gente faz um processo de fertilização da água e diariamente se coleta com a rede de arrasto o plâncton que também é armazenado para complementação da alimentação dos alevinos que estão em laboratório,” afirma Fabiano Giori, técnico de campo.

“Além de proporcionar um alimento de alto teor de proteína bruta, o plâncton também serve de estímulo para que os animais aprendam a pegar a ração”, completa.

Com as orientações e mudanças no manejo, a mortalidade de animais tem ficado entre 10 e 20%, índice que chegava a 50% no início da criação. O produtor também teve redução de custos na compra de ração e fertilizante, que chegava a 70% do custo operacional efetivo.

“Estávamos trabalhando com duas mil unidades de alevinos e o planejamento para a próxima safra é ter três matrizes e alcançar de cinco a seis mil unidades produzidas”, ressalta o técnico de campo.

A partir da assistência técnica, Edmar Campanha também passou a anotar tudo que é feito na propriedade. “Antes eu misturava minhas contas pessoais e familiares com a da roça, mas hoje ela se sustenta e só sei disso hoje graças a essas anotações.”

A assistência técnica do Senar atende 10 produtores de peixe na região. “Esses 10 estão fechando a segunda safra, os 24 meses, e têm mostrado resultados muito satisfatórios e chamando a atenção de outras propriedades vizinhas”, afirmou Fábio Bienow Pagung, supervisor da Assistência Técnica e Gerencial no Senar Espírito Santo.

“Eu quero que essa cadeia seja viável. Tenho esse sonho, mas que seja viabilizada para a comunidade”, conclui o produtor Edmar Campanha.

Fonte: CNA

Últimas notícias

Revista Negócio Rural vence prêmio de jornalismo de Pernambuco

O cooperativismo conecta pessoas e também histórias. Que similaridade poderia haver entre as ...

Serenata Italiana será no próximo sábado (09) em Venda Nova do Imigrante

Relembrar os costumes dos primeiros imigrantes italianos que chegaram em Venda Nova do ...

Expoagro é uma das vitrines para o agronegócio de Mato Grosso

Mato Grosso é destaque internacional quando se trata de agronegócio. E a Capital ...

Colheita de uva é sucesso em Linhares

Ao menos de quatro mil pessoas passaram pelo parreiral de uva do Polo ...

Conheça o vencedor do 1º Concurso de Café Conilon de Jaguaré

O ganhador do 1º Concurso de Café Conilon de Jaguaré foi conhecido neste ...