Agroturismo e restaurantes das montanhas preparados para atender clientes

Bernadete Lorenção reforçou que todos os protocolos sanitários estão sendo cumpridos

Julio Huber

Com a nova classificação de risco de transmissão de coronavírus no Espírito Santo, que permitiu com que o comércio em 19 municípios capixabas passasse a funcionar em horários normais de atendimento, os empresários do setor de turismo já se preparam para atender clientes cumprindo todas as normas exigidas pelas autoridades em saúde e respeitando os decretos do Estado e dos municípios.

De acordo com o Mapa de Risco Covid-19, do governo estadual, na região das montanhas capixabas, nenhum município está com a classificação de risco alto. Brejetuba, Domingos Martins, Laranja da Terra e Venda Nova do Imigrante passaram para a classe baixa. Já Afonso Cláudio, Castelo, Conceição do Castelo, Marechal Floriano e Vargem Alta são considerados de risco moderado para a transmissão.

Nos municípios enquadrados como risco baixo, o atendimento passou para os horários normais, com exceção dos domingos, quando os restaurantes e similares ainda não podem abrir. A maioria dos estabelecimentos já está atendendo clientes, como é o caso do Sítio Lorenção, em Venda Nova do Imigrante, famoso pelo socol, seus antepastos e outras delícias da culinária italiana.

Bernadete Lorenção, uma das proprietárias, contou que todas as exigências sanitárias estão sendo seguidas para a segurança dos colaboradores e dos visitantes. O sítio foi um dos primeiros a adotar o selo “Turista Consciente & Ambiente Responsável”, desenvolvido pelo Montanhas Capixabas Convention & Visitors Bureau, entidade sem fins lucrativos e que é a instância de governança da região, responsável pelas ações em prol do turismo local.

O selo pode ser solicitado gratuitamente por donos de hotéis, pousadas, restaurantes, cafeterias, lojas e sítios de agroturismo localizados nos nove municípios da região. Esse é um instrumento para demonstrar aos clientes que o estabelecimento está adotando protocolos sanitários internacionais de combate à pandemia. 

Na Fazenda Carnielli, o número de clientes começou a aumentar nos últimos dias

Já a fazenda Carnielli, também em Venda Nova do Imigrante, está aberta e seguindo todos os protocolos sanitários. Reconhecida pela produção de cafés e queijos especiais, a propriedade é considerada como serviço essencial, já que fabrica e comercializa alimentos. “Não chegamos a fechar, mas tivemos períodos em que os atendimentos chegaram a zero. Agora, aos poucos os clientes estão retornando”, destacou Leandro Carnielli, um dos proprietários.

Já a cafeteria e restaurante Expresso 37, que fica às margens do km 37 da BR-262, em Domingos Martins, não fechou durante a pandemia, por estar às margens de uma rodovia federal. Entretanto, a proprietária Teoda Laranja destacou que com as medidas mais flexíveis de atendimento, o fluxo de clientes tende a aumentar.

“Nós reduzimos o número das mesas, aumentamos o afastamento entre elas, colocamos uma proteção de vidro no caixa e fechamos uma das duas entradas que tínhamos. Só pode ficar na cafeteria o número de pessoas sentadas. Também retiramos os alimentos que ficavam expostos para as pessoas se servirem. Agora, os itens da cafeteria e do restaurante já vêm prontos da cozinha”, destaca Teoda.

Mais informações sobre estabelecimentos e atrativos turísticos da região também podem ser obtidos por meio das redes sociais e sites abaixo:

Últimas notícias

Palestra aborda tendências inovadoras para o turismo das montanhas capixabas

A pandemia trouxe diversas mudanças no comportamento do consumidor e todos os setores ...

Laboratório de leite do Idaf recebe credenciamento oficial

Após anos de trabalho e dedicação, o Laboratório de Análise da Qualidade do ...

Apenas três municípios do Espírito Santo estão em risco amarelo no Mapa Covid-19

O Governo do Estado anunciou, ontem (18), o 23º Mapa de Risco Covid-19, ...

Demanda de frete rodoviário no agronegócio tem incremento de mais de 10%

Segundo o Índice de Fretes e Pedágios Repom (IFPR), a demanda por frete ...

Preço do arroz deve permanecer entre R$ 5 e R$ 7 até março do ano que vem

Um dos alimentos mais consumidos na mesa dos brasileiros sofreu um aumento de ...