Apesar da crise, consumo mundial de café aumenta

A estimativa de consumo mundial de café no ano cafeeiro 2019-2020 mostra dois impactos da pandemia do novo coronavírus, um no sentido inverso do outro. Em sua edição relativa a agosto, o Relatório sobre o Mercado de Café elaborado pela Organização Internacional do Café (OIC) estima que, no atual ano cafeeiro (iniciado em outubro do ano passado), o consumo mundial alcançará 168,39 milhões de sacas de 60 quilos. Isso representa crescimento de 0,3% em relação ao consumo do ano cafeeiro anterior, que foi de 167,84 milhões de sacas. No ano anterior, o crescimento do consumo tinha sido de 5%.

Se não tivesse havido uma “escalada da demanda” nos primeiros meses da pandemia, talvez o resultado final fosse negativo. Mas parte dos ganhos com o aumento do consumo no início da pandemia, estimulado sobretudo pela demanda doméstica decorrente das medidas de isolamento social, pode ter se esvaído nos meses seguintes, quando a intensificação da crise econômica mundial – igualmente decorrente da pandemia – afetou a atividade produtiva, o consumo, o emprego e a renda de modo muito intenso.

O fim do ano cafeeiro é marcado por “uma recuperação limitada do consumo fora de casa”, diz o relatório, sem fazer projeções para os próximos meses. Mas o resultado das exportações mundiais em julho sugere que essa recuperação é tênue. Naquele mês, as exportações foram de 10,61 milhões de sacas, 11% menos do que um ano antes. Nos dez primeiros meses do ano cafeeiro, as exportações alcançaram 106,59 milhões de sacas, 5,3% menos do que em igual período do ano anterior.

A produção mundial no ano cafeeiro 2019-2020 está prevista em 169,34 milhões de sacas, 2,2% menor que a do ano anterior. O balanço entre produção e consumo resulta em superávit de 952 mil sacas.

O Brasil é o principal produtor mundial. No ano-safra 2019-2020 nacional, que terminou em março, a produção alcançou 58 milhões de sacas, com queda de 10,9% em relação à safra anterior. A produção de café arábica, que responde por quase dois terços do total colhido no país, diminuiu 17,4%, para 37,12 milhões de sacas, e a de café robusta aumentou 3,4%, para 20,88 milhões de sacas.

A safra do Vietnã, segundo maior produtor mundial, terminou antes do início da pandemia e alcançou 31,5 milhões de sacas, com aumento de 0,7%.

Fonte: Estadão Conteúdo

Últimas notícias

Força tarefa do agro vai ajudar produtores com prejuízos da chuva de granizo

As recentes chuvas de granizo atingiram municípios do interior do Espírito Santo no ...

Mudas de café conilon clonal são produzidas e plantadas nas montanhas

Santa Maria de Jetibá, conhecida como a cidade que mais produz ovos no ...

A importância do tratamento homeopático em animais

Low angle portrait of cute dog resting on rug and looking forward with ...

BSCA E Apex-Brasil renovam projeto de promoção internacional dos cafés especiais

Estruturado sobre os pilares de inteligência mercadológica, promoção interna e externa e consolidação ...

Exportações de carne suína registram maior volume mensal da história

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) ...