Após superar Covid-19, China deve influenciar agronegócio brasileiro

Após ser fortemente afetada pelo coronavírus, a China se prepara para iniciar a fase pós-covid. Economias de todo o mundo estão de olho no comportamento do mercado chinês, já que o país asiático é o principal destino de exportações e importante parceiro comercial do Brasil. Durante o primeiro trimestre de 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) da China teve retração de 6,8%, a primeira em quase 30 anos.

O governo de Xi Jinping tem o plano de iniciar uma reforma agrícola no país, investindo em políticas públicas que priorizem o desenvolvimento do agronegócio nacional. A intenção é reduzir a dependência externa do país por alimentos como carne e soja, por exemplo.

Alguns fatores, em contrapartida, podem beneficiar o Brasil nesse cenário. No mês passado, a China suspendeu importações de carne bovina junto aos quatro maiores processadores de carnes da Austrália, após autoridades locais terem pedido investigação independente sobre as origens do coronavírus.

Para o professor de Economia Chinesa do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), Roberto Dumas, o recente surto de peste suína africana (PSA), que dizimou boa parte do rebanho chinês, pode alavancar o mercado brasileiro.

“Houve problema da febre suína. Eles precisam desesperadamente de proteína animal. O governo chinês soltou um decreto em que os porcos na China são criados nos quintais. Dado que a peste suína veio dessa falta de higiene no trato e na criação dos porcos, o governo chinês falou que os porcos deveriam ser alimentados de forma diferente. Tem de ser alimentados com soja e farelo de soja. O Brasil exporta soja e pode se beneficiar com isso”, exemplifica.

“A China está indo no caminho certo em melhorar a sua produtividade nacional, mas isso é um longo caminho. Vai uns três, quatro anos ainda. É difícil melhorar a produtividade de forma que pare de precisar de um parceiro de importação – como o Brasil”, completa Dumas.

Pesquisa – Com base em dados de safra do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) projetou que, mesmo com a crise causada pela pandemia do coronavírus, o setor agropecuário brasileiro deve registrar crescimento de 2,5% neste ano.

Segundo o Ipea, as exportações de produtos agropecuários tiveram aumento de 7% de janeiro a abril, na comparação com o mesmo período do ano passado. A cana-de-açúcar é a cultura que pode sofrer maior impacto em virtude da crise e da redução do preço internacional do petróleo: queda de 1,9%.

Ao analisar possíveis cenários de impacto da covid-19 sobre a demanda por produtos agropecuários em 2020, o IPEA estima que haverá crescimento de 1,3% no PIB agropecuário, apesar da possibilidade de recuo da demanda.

“Deve haver uma recuperação muito grande da exportação de bovinos para a China. Há um crescimento muito forte também de outras proteínas animais, como suínos, frangos, não só para a China, mas também para a Arábia Saudita. O mercado internacional tende a auxiliar bastante na recuperação da produção da pecuária brasileira”, ressalta o economista e pesquisador do IPEA, Fábio Servo.

Fonte: Brasil 61

Últimas notícias

Nova instrução normativa de bem-estar animal nas granjas brasileiras é tema de evento on-line

A nova instrução normativa (IN 113/2020) que visa as adequações de manejo e ...

Líbia prepara primeira exposição focada em cafés

Evento reunirá produtores, vendedores, representantes de marcas nacionais e regionais, além dos amantes ...

Jerônimo Monteiro realiza primeira Mostra de Café Especial

O município de Jerônimo Monteiro vai realizar a 1ª Mostra de Café Especial. ...

Tradição familiar no agronegócio em evidência na Praça do Papa

A tradição familiar marca o agronegócio capixaba, que, segundo dados do Governo do ...

Ação de fiscalização do Mapa apreende 173 mil litros de bebidas com indícios de fraude

Uma ação de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) resultou ...