Aquicultura tem potencial de crescimento no Brasil em 2020

Julio Huber

Ontem (20) foi comemorado o Dia Nacional da Aquicultura. Na aquicultura, o cultivo ou a criação de organismos aquáticos (peixes, crustáceos, moluscos, algas) é realizado em espaços planejados e construídos adequadamente para a atividade e, geralmente, monitorados por pessoas capacitadas. Além de potencializar a produção de alimentos com qualidade e segurança, a atividade gera renda à população.

A aquicultura tem papel socioeconômico fundamental para o país, uma vez que influencia diretamente na geração de empregos e de renda, contribuindo para a meta de igualdade social. Além disso, a atividade possui normas técnicas estabelecidas, que compreendem cuidados e práticas de higiene, sanidade e manejo como monitoramento da qualidade da água, sustentabilidade e preservação ambiental, critérios de segurança, sanidade e qualidade dos alimentos. Isso tudo contribui muito para que os produtores possam trabalhar adequadamente e o setor possa crescer.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), autoridade em fornecer dados e informações seguras sobre a Pesca e a Aquicultura no mundo, os resultados de produção da aquicultura fazem dela a mais rápida das atividades agropecuárias, sendo capaz de alcançar facilmente o segundo dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O último relatório da FAO, chamado “Situação da Pesca e Aquicultura no Mundo” (SOFIA, em inglês), de 2018, aponta que pesca e aquicultura juntas poderão produzir 201 milhões de toneladas até 2030, o que representa 18% a mais em relação a 2016.

O Presidente Executivo da Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR), Francisco Medeiros, informou que a maior concentração de produção de pescados está nas regiões sul e no sudeste, não só na produção, mas principalmente no consumo. O maior consumo per capta de peixe de cultivo do Brasil é na região nordeste, da tilápia produzida principalmente no São Francisco e no Parnaíba. A tilápia representa 55% de todo o cultivo do Brasil atualmente.

Ao analisar 2019, o presidente da Peixe BR disse que o setor enfrentou dificuldades como as demais proteínas. “Foi o ano mais atípico para o peixe de cultivo. O primeiro semestre foi um período de oferta grande de peixe no mercado, consequentemente houve uma redução de preços para o produtor, que reduziu o povoamento para o segundo semestre, que naturalmente diminuiu a oferta do produto no mercado, que recuperou o preço para o produtor. Em tese, foi um primeiro semestre bom para o consumidor e no segundo semestre bom para o produtor”, destacou.

PRODUÇÃO – No Brasil, há dois grupos de peixes produzidos: a tilápia, que é mais de 55% de tudo que é cultivado no Brasil; e o tambaqui, que é cultivado em Rondônia, Amazonas, Roraima e Mato Grosso. “Nos últimos anos registrou-se um crescimento acima de 10% no caso da tilápia. Já o tambaqui cresceu 3% ao ano. Isto se explica pelo motivo que a tilapia é consumida nas regiões sul e sudeste, onde o poder aquisitivo é maior, e o tambaqui é consumido na região norte, onde o IDH e o poder aquisitivo é inferior”, disse.

CONSUMO – A Peixe BR possui dois trabalhos voltados ao aumento do consumo do peixe. Um é voltado para o mercado interno e outro junto ao mercado externo. “Lançamos a campanha #comamaispeixe, porque o consumo per capta tem crescimento em médica 10% ao ano, que é considerado bom. Nossa meta é elevar o consumo de quatro quilos por habitante/ano para dez quilos por habitante/ano, em sete anos”, informou. A média mundial de consumo de peixe per capita é de 20 quilos por habitante.

PROJEÇÃO PARA 2020 – Francisco Medeiro afirmou, em entrevista ao Terra Viva, que o cenário de 2020 está começando de maneira positiva porque o produtor está sendo melhor remunerado, e há exportações respondendo melhor do que aconteceu em 2018.

“A campanha #comamaispeixe está sendo trabalhado no mercado interno, conscientizando que consumir principalmente peixe de cultivo é mais barato e é fácil de fazer. Além disso, o resultado da indústria de processamento do pescado começa a receber as máquinas automáticas de filetar tilápia, que vai promover uma mudança radical no nosso negócio. É automação do sistema de processamento e da indústria brasileira”, concluiu.

Últimas notícias

Tratoraço reúne mais de dois mil veículos contra taxação do ICMS

Um tratoraço realizado na manhã de ontem (14), na Avenida Coronel Marcondes, em ...

Valor da Produção Agropecuária de 2020 é o maior da história

Foto: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil A carne bovina foi um ...

Conab vende mais de 140 mil toneladas de milho para pequenos criadores em 2020

A comercialização de milho dos estoques do governo federal pôde beneficiar mais de ...

Projeto faz reúso de água para produção de alimentos

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) ...

Idaf registra primeira agroindústria de 2021 em Ibitirama

Uma queijaria de Ibitirama foi o primeiro estabelecimento de 2021 registrado junto ao ...