Área de seca aumenta no litoral norte do Espírito Santo

Os indícios da seca típica desta época do ano começam a ficar mais intensos. Conforme a última atualização do Monitor de Secas, apresentada pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e pela Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), o Espírito Santo teve uma crescente das áreas de seca fraca no mês de junho em comparação com o mês anterior.

Segundo o Monitor de Secas, as chuvas abaixo da média registradas no mês de junho causaram impactos principalmente no litoral norte do Espírito Santo. “Ate o mês de abril, não tinha seca no Estado. Em maio, foi observado o surgimento de uma área de 20% de seca no litoral norte. Em junho, foi observado que esta área aumentou para 25%. O mês de julho terminou e as análises já estão sendo feitas: a área de seca fraca pode ser ampliada, reduzida ou agravada”, explicou o coordenador de Meteorologia do Incaper, Hugo Ramos.

O meteorologista acrescentou que, apesar de fraca, a seca merece atenção. “Não é motivo de alarme, mas as pessoas têm que se conscientizar de que esta é a época do ano em que menos chove. Existe a necessidade de utilizar recursos hídricos de forma mais responsável, mais consciente. Assim, reduzimos o risco de enfrentar uma situação mais grave quando chegar a época mais crítica”, disse Hugo Ramos.

É comum nos meses de abril a outubro o baixo nível das chuvas no Estado, fator que reflete no crescimento dos indicadores do Monitor de Secas. De acordo com a Agerh, este fenômeno faz com que cresça também a captação de águas em barragens e poços artesianos, já que o nível dos rios fica mais baixo, por isso, é importante regularizar esses usos. Ainda segundo a Agerh, a captação de água subterrânea deve ser cadastrada por meio de um formulário digital, com informações sobre o uso. Já a captação de água em barragem deve ser regularizada por meio do Requerimento de Outorga

O  Monitor de Secas é um processo de acompanhamento regular e periódico da situação da seca no Nordeste do Brasil e em mais cinco Estados: Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás, Tocantins, além do Distrito Federal. O Monitor realiza o acompanhamento contínuo do grau de severidade das secas no Brasil com base em indicadores de seca e nos impactos causados pelo fenômeno em curto e/ou longo prazos. Os impactos de curto prazo são para déficits de precipitações recentes até seis meses. Acima desse período, os impactos são de longo prazo.

Fonte: Incaper

Últimas notícias

Preço do leite ao produtor sobe, mas custos de produção reduzem margens

O preço do leite recebido pelo produtor manteve a tendência de alta no ...

Estimativa de safra de café é reduzida pela Conab e próxima colheita preocupa

Foto: Julio Huber O país deverá produzir aproximadamente 46,9 milhões de sacas de ...

Deflagrada nova edição da Operação Mata Atlântica em Pé

Teve início ontem (20), a Operação Mata Atlântica em Pé, iniciativa voltada ao ...

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...