Atividade econômica do Espírito Santo cresce 9,5% no 3º trimestre

O 3º trimestre deste ano teve um crescimento de 9,5% na atividade econômica do Espírito Santo. Os dados foram apresentados pela Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) durante uma coletiva de imprensa realizada na última sexta-feira (11).

O economista-chefe da Federação e diretor executivo do Ideies, Marcelo Saintive, e a gerente do Observatório da Indústria, Marília Gabriela Silva, conduziram a coletiva e destacaram a retomada do crescimento em “V” para a economia capixaba, segundo dados do Indicador de Atividade Econômica do Espírito Santo (IAE-Findes), referente ao 3° trimestre de 2020, que apresentou crescimento de 9,5%, após queda no 2º trimestre de 2020 de 12,4%.

A forte queda seguida pela recuperação acentuada configurou um crescimento em “V”, favorecido pela flexibilização das medidas de isolamento social para combate à pandemia da Covid-19, que vigoraram com maior intensidade no 2º trimestre do ano. A presidente da Findes, Cris Samorini, comemorou o resultado do IAE, que segundo ela é muito positivo.

“Mostra que o Espírito Santo saiu da recessão técnica e está em recuperação em V. E é isso que estamos vendo na prática. Temos conversado com os industriais e visitado as indústrias em todo o Estado. Nesta semana estive na Café Cacique, em Linhares, que está investindo R$ 240 milhões no município. A Garoto anunciou em setembro que vai investir R$ 200 milhões na expansão e modernização da unidade de Vila Velha, que será o centro mundial de inovação em chocolates da Nestlé. A Biancogrês está investindo R$ 150 milhões na Serra. Temos o Porto da Imetame e a retomada da Samarco. O Espírito Santo tem tudo para se destacar no cenário de retomada”, afirmou.

No 3º trimestre do ano, o crescimento da atividade econômica foi disseminado entre todos os setores da economia capixaba, quando comparado ao 2º trimestre. O destaque ficou por conta da indústria, que apresentou crescimento expressivo de 19,1%.

Dentro da indústria, todas as atividades cresceram. Só a indústria de transformação cresceu 29,8%, seguida pelo avanço nas atividades de construção (7,9%), energia e saneamento (6,2%) e indústrias extrativas (4,6%).

O avanço de 29,8% da indústria de transformação fez com que a atividade não apenas retomasse o patamar de atividade do 4º trimestre de 2019 – período pré-pandemia –, como ficou 4% acima dele.

Também cresceram os serviços (+7,9%), influenciado pelo crescimento de 26% nas atividades de comércio. O setor de agropecuária se manteve praticamente estável (+0,1%).

CRESCIMENTO MENOR QUE 2019 – Contudo, o crescimento observado ainda não foi suficiente para que a atividade econômica capixaba retornasse ao nível de atividade do 4º trimestre de 2019, nível que antecedeu a pandemia, com a atividade econômica capixaba estando 4,3% abaixo do último trimestre de 2019. O resultado também se encontra 4,1% abaixo do 1º trimestre de 2020.

O desempenho da atividade econômica capixaba no 3º trimestre de 2020, quando comparado ao do 3º trimestre de 2019, foi de queda de 4,3%. Todos os grandes setores apresentaram desempenho inferior ao mesmo trimestre do ano passado, com a indústria retraindo 14,2%, serviços 2,1% e agropecuária 6,7%.

A ressalva é para a atividade da indústria de transformação, que ficou 2,2% acima do nível de atividade do 3º trimestre de 2019. As atividades de celulose e papel, produtos alimentícios e fabricação de minerais não metálicos impactaram positivamente o crescimento da indústria de transformação.

Para o resultado do acumulado no ano, o Estado acumulou perda de 6,0% de janeiro a setembro, em relação ao mesmo período do ano passado, com baixa em todos os setores de atividade. Para o Brasil esta perda foi de 5%.

A presidente da Findes lembrou, contudo, sobre a continuação da pandemia. “Para controlar a Covid, preservar vidas e empregos, precisamos manter o rigor com os protocolos de segurança. As indústrias têm seguido à risca esses protocolos e estamos vendo isso na visita às plantas. Mas, reiteramos que esse é um compromisso de toda a sociedade. Mesmo nos momentos de lazer, o cidadão deve observar o uso de máscaras, o distanciamento social, a higiene das mãos. É esse cuidado que vai garantir o controle da pandemia e a manutenção da atividade econômica e dos empregos”, disse Cris Samorini.

Fonte: Findes

Últimas notícias

Exportações do agronegócio batem recorde para setembro, com US$ 10,1 bilhões

O complexo soja e as carnes foram destaques nas exportações do mês, registrando ...

Lançadas as primeiras variedades de batata coloridas do Brasil

Chegam ao mercado nacional as primeiras variedades de batata coloridas desenvolvidas no Brasil ...

Cooperativa lança plataforma com o maior acervo digital do agro

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) coloca no ar hoje (15), a maior ...

ONGs incentivam mudança no prato para sistema alimentar mais sustentável

Criado para refletir sobre a realidade da fome, da segurança alimentar e nutricional ...

Minas Gerais deve ter a menor produção de café dos últimos 12 anos

A produção total de café beneficiado em Minas Gerais deve cair 38,1% neste ...