Boletim mensal sobre café registra melhora de preço em julho, diz Cepea

Após a forte queda no mês anterior, os preços do café arábica tiveram recuperação em julho. O Indicador CEPEA/ESALQ do tipo 6 bebida dura para melhor, posto na capital paulista, teve média de R$ 505,97/saca de 60 kg no mês, elevação de 4,7% em relação à de junho. Frente a julho/19, o aumento real foi de 10,7%, sendo que a média também é a maior para um início de safra desde jul/17 (valores deflacionados pelo IGP-DI de jun/20).

Vale apontar que o avanço foi expressivo especialmente no final do mês, quando o Indicador voltou a operar acima dos R$ 550/sc, patamar próximo do observado em maio. A alta foi reflexo do avanço dos futuros da variedade e da demanda firme, especialmente para cafés de melhor qualidade. Isso porque grande parte dos cafés finos de 2020/21 já foi comprometida nas negociações fechadas em meses anteriores, o que tem limitado a oferta no spot. Além disso, agentes reportam que parte dos produtores tem voltado ao mercado para adquirir grãos no mesmo padrão dos contratos assumidos.

No front externo, a média de todos os contratos negociados na Bolsa de Nova York (ICE Futures) foi de 106 centavos de dólar por libra-peso em julho, alta acentuada de 7,4% frente ao mês anterior. Apesar do avanço da colheita da safra 2020/21 no Brasil, os preços externos foram sustentados por fatores técnicos, pela valorização do Real frente ao dólar em parte do mês e por preocupações com os impactos da restrição de mão de obra na América Central (devido à pandemia) na produção de cafés de alta qualidade. O clima mais seco nas regiões produtoras brasileiras também está no radar de agentes, uma vez que poderia impactar a safra de 2021/22. Quanto ao dólar, teve média de R$ 5,279, valorização de 1,5% frente a junho.

COLHEITA  O clima mais seco de julho auxiliou o andamento da colheita em todo o Brasil. A disponibilidade de mão de obra começou a melhorar em julho, visto que muitos pequenos produtores finalizaram as atividades. Regionalmente, o noroeste do Paraná e Garça (SP) são as praças mais adiantadas, com cerca de 65 a 75% colhido em cada, segundo agentes consultados pelo Cepea. No sul de Minas, maior região produtora, os trabalhos estão entre 65 e 70%. No Cerrado Mineiro e na Zona da Mata (MG), a colheita estava entre 60 a 70% até o encerramento de julho. Quanto à Mogiana (SP), as atividades atingiam de 60 a 65% do total.

Em relação à qualidade, a maior parte das regiões têm registrado boas bebida, peneira e catação dos grãos. Entretanto, na Zona da Mata (MG), colaboradores relatam volume maior de cafés mais fracos devido ao elevado percentual de grãos no chão, que foram atingidos pelas chuvas entre junho e o começo de julho. Na região de Garça (SP), a qualidade também deve cair nas próximas semanas, visto que uma parcela expressiva das lavouras já está na fase de recolhimento dos grãos do chão.

CAFÉ ROBUSTA – Os preços domésticos do café robusta também se recuperaram em julho. O Indicador CEPEA/ESALQ do tipo 6 peneira 13 acima foi de R$ 353,65/sc de 60 kg, alta de 4,3% frente a junho. O tipo 7/8 bica corrida teve média de R$ 342,45/sc, 4,6% superior no mesmo comparativo. Em relação a julho/19, as médias subiram 15,7% para o tipo 6 e 16% para o 7/8, em termos reais (os valores foram deflacionados pelo IGP-DI de jun/20).

Os valores foram impulsionados pelos avanços externos e pela retração vendedora no Brasil – volumes significativos de negócios ocorreram apenas nos dias de maior elevação dos preços. Na Bolsa de Londres (ICE Futures Europe), os futuros do robusta atingiram os maiores níveis em mais de sete meses, com o contrato Setembro/20 fechando a US$ 1.344/tonelada no dia 31, forte avanço de 13,2% na comparação com o último dia útil de junho.

A alta externa esteve atrelada a fatores técnicos e a preocupações quanto aos impactos de uma nova onda de casos de coronavírus no Vietnã, maior produtor da variedade. Com novos picos no país, medidas restritivas mais rigorosas foram tomadas pelo governo, preocupando agentes quanto a uma possível interrupção na oferta. Apesar disso, vale apontar que a oferta no Vietnã já tende a ser menor, devido ao período de entressafra. Um maior volume de café vietnamita deve chegar ao mercado apenas com o andamento da colheita da 2020/21 no país, que se inicia em outubro.

Fonte: Cepea

Últimas notícias

Mais de 50 soluções tecnológicas disponíveis para o agro em 2021

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio ...

Autorizada exportação de ovos in natura para Argentina e Chile

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) celebrou a dupla autorização de exportações ...

Clima impacta produção da safra verão/21 e especialista aponta como se proteger de mudanças climáticas

A irregularidade das precipitações nos meses de outubro e novembro marcou o início ...

Brasil exporta 11 milhões de sacas de café no primeiro trimestre de 2021

Volume embarcado apresenta evolução de 10,4% no ano civil e aponta para quebra ...

Exportação de solúvel cresce 9,2% na comparação com março de 2020

De acordo com levantamento mensal realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Café ...