Café solúvel quebra de recordes em 2021 e exporta para 98 países

Em mais um ano marcado pelo agravamento da pandemia mundial da Covid-19, que desencadeou imbróglio na cadeia logística mundial, com falta de contêineres e navios e a elevação dos fretes, e um aumento sem precedentes históricos dos preços internacionais do café, o segmento de solúvel do Brasil se mostrou resiliente e, com profissionalismo e investimentos das indústrias, bateu recordes em exportação e consumo interno.

Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics), o setor exportou para 98 países, o equivalente a 4,09 milhões de sacas de 60 kg do produto, o que representou um novo recorde ao avançar 0,6% na comparação com as 4,07 milhões de sacas registradas em 2020, até então o maior volume. Em receita cambial, o Brasil obteve US$ 566,2 milhões, superando em 6,1% as divisas alcançadas em 2020 (US$ 533,6 milhões).

Continua após o anúncio

Conforme Aguinaldo Lima, diretor de Relações Institucionais da entidade, os resultados de 2021 foram surpreendentemente positivos diante de um cenário “surreal” de entraves logísticos e disparada nos preços da matéria-prima. “O desempenho evidencia a capacidade de produção do café solúvel brasileiro, com nossas indústrias demonstrando resiliência. O crescimento de 0,6% é discreto, mas resultou no terceiro ano consecutivo de recorde histórico do volume exportado”, comenta.

No mercado interno, o segmento também teve desempenho expressivo, com o consumo equivalente a 985,3 mil sacas, ou o melhor desempenho na série histórica estatística da Abics, que adotou nova metodologia de coleta de informações mensais junto às indústrias nacionais. Esse montante implicou elevação de 5,9% na comparação com as 930,2 mil sacas consumidas em 2020.

“Internamente, o crescimento vigoroso foi proporcionado por uma maior percepção, por parte dos consumidores brasileiros, das qualidades e da versatilidade do café solúvel, que resultam do abraço das indústrias nacionais e das detentoras das grandes marcas à campanha ‘Descubra Café Solúvel’, coordenada pela Abics, nas redes sociais e junto a profissionais de barismo e cafeterias”, revela.

FUTURO – O diretor da Abics recorda que 2021 foi um ano marcado por grandes investimentos tecnológicos para modernização e ampliação do parque produtivo das indústrias brasileiras. Novas unidades de processamento começaram a operar nos Estados do Espírito Santo e Paraná, além da previsão para o início das atividades, também em solo capixaba, de mais uma unidade no início de 2023.

“Esses investimentos, somados, ultrapassam R$ 1 bilhão e geram centenas de empregos, contribuindo com o social e a economia nesses Estados. Quando todas essas unidades estiverem em pleno funcionamento, no ano que vem, a capacidade de produção brasileira crescerá 18%, o que consolidará, ainda mais, o país como o maior parque industrial do mundo”, conclui Lima.

Fonte: Abics

Últimas notícias

Confirmada: 11ª Feira de Negócios Coocafé será presencial

Um dos principais eventos realizados para o cooperado Coocafé é a Feira de ...

Alunos aprendem, na prática, como vacinar o rebanho

Mais uma ação do projeto “Vai pra Roça” foi realizada em São Gabriel ...

Conab lança modalidade de leilão para abastecer pecuaristas

Uma novidade foi lançada pela Companhia Nacional de Abastecimento  (Conab) para os pecuaristas ...

Alysson Paolinelli, indicado ao Nobel da Paz, participará da Feira de Agronegócios da Cooabriel

Indicado ao prêmio Nobel da Paz em 2021, o ex-ministro e professor Alysson ...

Prazo para vacinar animais de 0 a 2 anos contra febre aftosa está acabando

A vacinação de bovinos e bubalinos acontece até o dia 31 de maio ...