Cafeicultor do Espírito Santo vence pela 3ª vez um concurso nacional de qualidade

Foto: Julio Huber

Julio Huber

O cafeicultor Luiz Cláudio de Souza, da Cooperativa dos Cafeicultores do Sul do Estado do Espírito Santo (Cafesul), de Muqui, no Sul capixaba, foi o grande vencedor do 6º Torneio do Melhor Café Fairtrade do Brasil – Taza Dorada 2020, na categoria “Conilon – Microlotes”.  Essa é a terceira vez que Luiz Cláudio vence o concurso.

Na categoria “Arábica “Microlotes”, houve empate na primeira colocação. Os melhores cafés foram de Manasses Sampaio Dias, da Associação dos Cafeicultores de Montanha de Divinolândia (Aprod), de Divinolândia (SP) e da cafeicultora Taís Silva Fernandes Miranda, da Cooperativa Agropecuária dos Produtores Orgânicos de Nova Resende e Região (Coopervitae), de Nova Resende (MG).

O concurso ainda teve a categoria “Arábica Container Cheio”, que teve duas cooperativas com a mesma pontuação em primeiro lugar. Os cafés da Cooperativa dos Produtores do Alto da Serra (ApasCoffee), de São Gonçalo do Sapucaí (MG) e da Cooperativa de Pequenos Agricultores de Santana da Vargem (Coopasv), de Santana de Vargem (MG), tiveram a nota de 84,33. Os dois microlotes da variedade arábica que venceram o concurso tiveram a nota 87,083. Já o café de Luiz Cláudio de Souza teve a nota 86,91. 

O concurso é organizado pela Coordenadora Latino-Americana e do Caribe de Pequenos Produtores e Trabalhadores do Comércio Justo (CLAC) e Associação das Organizações de Produtores Fairtrade do Brasil (BRFAIR), com apoio da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha (Minasul) e da International Trade Center (ITC).

O principal objetivo do concurso é contribuir para a promoção dos cafés de Comércio Justo Fairtrade nos níveis nacional e internacional, incentivando a abertura de mercados para o produto (Café Fairtrade), favorecendo a agregação de valor e distribuição de renda, por meio da produção e comercialização de cafés de qualidade, oriundos de processos sustentáveis de produção.

Os produtores do melhores cafés nas categorias microlotes e as cooperativas vencedoras da categoria Conteiner Cheio receberão troféus e certificados. De acordo com o secretário executivo da BRFAIR, Bruno Aguiar, os lotes premiados serão enviados a vários países para trabalhar a abertura de mercado para produtos Fairtrade.

“Há a possibilidade de conseguirmos melhores preços para esses cafés premiados. Vamos trabalhar com compradores de cafés Fairtrade com esse intuito”, destacou Aguiar. Além disso, os melhores cafés serão enviados para a Café Show Seoul, realizada de 5 a 8 de novembro, em Seoul, Coreia do Sul.

Últimas notícias

Senar abre cursos técnicos sobre agronegócio e fruticultura

Termina no próximo dia 27 as inscrições para cursos técnicos de agronegócio e ...

Pêssegos com tecnologia da Embrapa ganham mercados no Hemisfério Norte

Há duas safras, produtores brasileiros de pêssego têm aproveitado um intervalo de produção ...

Safra de café em 2021 poderá ter redução de até 30,5%, segundo Conab

Foto: Julio Huber Julio Huber A safra de café no Brasil para 2021 ...

Produção de queijos é a segunda maior em agroindústrias do Espírito Santo

A produção de queijos está entre as modalidades mais lucrativas para a agricultura ...

Cooperativa cria moeda digital para troca de café por mercadorias

Empresa adotou o Dynamics para o gerenciamento do Coffee Coin, bem como para ...