Chances de La Niña aumentam e fenômeno pode afetar produção de café e gado no Brasil

Mapas divulgados pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) mostram a atuação do fenômeno

Novas análises realizadas pelo professor e climatologista Luiz Carlos Molion, apontam que o Pacífico Central começou a apresentar anomalias de temperaturas negativas nas últimas semanas, indicando que pode tanto se manter no modo neutro/frio ou desenvolver um La Niña com baixa intensidade. Molion destaca que as condições precisam continuar sendo avaliadas nas próximas quatro semanas para saber se o La Niña de fato deve acontecer esse ano. Vale lembrar que anteriormente, as previsões indicavam a atuação do fenômeno apenas em 2022.

“O curioso é que esse resfriamento está começando no centro e não na costa leste (Peru e Equador), como costuma ser um “resfriamento clássico”. Em geral, os ventos de leste (Alísios) se aceleram, e empurram e retiram as águas costeiras superficiais do Pacífico, por atrito, em direção à Linha da Data (Pacífico Central). Por continuidade de massa, águas frias subsuperficiais sobem à superfície esfriando as águas costeiras e se propagando em direção ao Pacífico Central. Esse é o início de um La Niña clássico”, explica Molion.

Ainda de acordo com o professor, as anomalias apresentadas indicam que as águas frias estão aflorando no Pacífico Central e não na costa. O Índice de Oscilação Sul (IOS), que compara a variação da pressão atmosférica sobre o Pacífico Tropical entre Tahiti (Polinésia Francesa) e Darwin (Austrália),  passou a ser ligeiramente positivo. “Valores de IOS positivos, em geral, estão associados ao evento  La Niña. A julgar pela distribuição das chuvas no país – excesso de chuva no Nordeste e déficit no Sul no período janeiro-março –  parece que a atmosfera já esteja se comportando como se estivesse em condições de La Niña desde o início do ano, mesmo com o Pacífico neutro”, explica.

INVERNO RIGOROSO

Molion destaca ainda que o produtor precisa estar atento, caso o La Niña seja confirmado, levando em consideração que os invernos associados ao fenômeno tendem a serem mais rigorosos, aumentando a probabilidade e o risco de geadas severas. Alerta para a região do café no sul de Minas Gerais e áreas do Mato Grosso do Sul. “Temperaturas baixas são nocivas também para o gado de corte, particularmente o Nelore, que pode morrer de hipotermia no pasto devido às baixas temperaturas”, comenta.

O climatoligista reforça ainda que quando o inverno, entre dezembro e março, nos Estados Unidos e Canadá é mais rigoroso, nosso inverno seguinte [6 meses depois] também é rigoroso. “Portanto, preparem-se no sul de Minas, cuidado com o café plantado em bolsões sujeitos a geadas. Vamos continuar monitorando as temperaturas do Pacífico para observar sua tendência nos próximos meses”, finaliza. 

Fonte: Notícias Agrícolas

Últimas notícias

Tratoraço reúne mais de dois mil veículos contra taxação do ICMS

Um tratoraço realizado na manhã de ontem (14), na Avenida Coronel Marcondes, em ...

Valor da Produção Agropecuária de 2020 é o maior da história

Foto: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil A carne bovina foi um ...

Conab vende mais de 140 mil toneladas de milho para pequenos criadores em 2020

A comercialização de milho dos estoques do governo federal pôde beneficiar mais de ...

Projeto faz reúso de água para produção de alimentos

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) ...

Idaf registra primeira agroindústria de 2021 em Ibitirama

Uma queijaria de Ibitirama foi o primeiro estabelecimento de 2021 registrado junto ao ...