CNA e 44 entidades do agro pedem renovação de convênios do ICMS

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e mais 44 entidades do agronegócio encaminharam, na segunda (28), um manifesto aos governadores e secretários estaduais de Fazenda para pedir a renovação, até 2022, dos Convênios ICMS 100/97 e 52/91 para que o setor continue competitivo.

O prazo de vigência para ambos foi definido como 31 de dezembro deste ano após um pedido feito pela CNA devido à pandemia. O Convênio 100 prevê a isenção tributária em operações internas e a redução da base de cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na comercialização interestadual de insumos agropecuários. Já o Convênio 52 prevê um imposto menor sobre máquinas e equipamentos agrícolas.

“É fundamental a manutenção de estratégias quanto à garantia da competitividade do setor por meio de custos competitivos ao produtor rural”, afirmam as 45 entidades por meio do manifesto. Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontam um prejuízo direto aos produtores de R$ 16 bilhões em alguns segmentos da cadeia agrícola, sem incluir a parte da pecuária.

Segundo informações da CNA incluídas no manifesto, o fim do Convênio 100 aumentará ainda mais o custo de produção. Para a cultura do milho na Bahia, essa alta pode chegar a 11,4%, enquanto que, para a produção de soja em Mato Grosso, a elevação será de 11,2%. O impacto para a pecuária de leite no Rio Grande do Sul é de um aumento de 12,8% nos custos, além de subir os preços de produtos da cesta básica.

“A não renovação do Convênio ICMS nº 100/1997, poderá prejudicar ainda mais este cenário, com aumento nos preços de alimentos que acarretem um aumento na taxa de inflação para a população brasileira, comprometendo o cumprimento da meta da inflação oficial do País”, dizem as entidades no manifesto.

“Esse prejuízo será determinante na continuidade da produção agrícola e pecuária nacional e no papel relevante que o Brasil apresenta em abastecer diversas nações dentro das cadeias de comércio em âmbito mundial. Cabe ressaltar ainda a junção de fatores do conhecido pacote “custo Brasil” que acarretará uma rentabilidade quase nula em determinadas culturas produzidas pelos produtores locais, especialmente os de pequeno e médio porte”, ressalta o documento.

A renovação dos convênios é discutida pelo Confaz, que reúne os 27 secretários estaduais de Fazenda em reuniões mensais. O próximo encontro está marcado para o dia 7 de outubro.

Fonte: CNA

Últimas notícias

Senar lança cursos gratuitos de drones e inseminação artificial. Inscreva-se!

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) lançou três cursos de curta duração, ...

Especialistas do Brasil e exterior debatem mercado halal

O fórum de negócios Global Halal Brazil ocorre na próxima semana e terá ...

Estados Unidos mudam regras para ingresso de cães procedentes do Brasil

Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, ...

Entidades afirmam que caso das búfalas de Brotas foge à regra dos produtores

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) publicou ...

Cadeia produtiva do leite é destaque em novo Boletim da Agricultura Familiar da Conab

Já está disponível, no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação ...