Conab divulga estudo sobre influência da pandemia no setor de hortifrutigranjeiros

A pandemia do coronavírus afetou de maneiras distintas o setor de hortifrutigranjeiros no país. Se por um lado o impacto foi menor na comercialização destes produtos nas principais Centrais de Abastecimento (Ceasas), por outro o segmento das feiras foi bastante atingido. É o que mostra o estudo Aspectos do Setor Hortigranjeiro durante a Pandemia do Covid-19, no período de março a maio de 2020, divulgado nesta quinta-feira (03/09) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

No caso dos produtores e comerciantes, diante deste novo cenário, eles recorreram a formas alternativas de comercialização. Uma delas foi a tele-entrega, por meio de aplicativos e outras plataformas de comércio eletrônico. Elas ajudaram a manter os negócios e minimizaram os efeitos da retração na demanda.

Elaborado pelo Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), o estudo se baseou em dados apurados junto às Ceasas e também levantados pelas superintendências regionais da Conab nos estados.

Um comparativo feito no período dos cinco primeiros meses do ano mostrou que a comercialização total de hortaliças nas Ceasas caiu apenas 3% em relação ao mesmo período de 2018 e de 2019. Segundo o estudo, os diferentes segmentos do grupo das hortaliças foram influenciados de maneira pontual e diferenciada pela pandemia. Se por um lado a venda destes produtos caiu em razão do fechamento de bares e restaurantes, interrupção das atividades nas unidades de ensino e paralisação das feiras livres, por outro o consumo direto deles pelas famílias aumentou. Ou seja, houve um aumento nas compras nos mercados que servem direto ao consumidor final.

Embora o impacto da pandemia não tenha sido considerado grande, em relação à comercialização nas Ceasas ele chegou a causar perdas em subgrupos específicos de hortaliças, especialmente para folhosas. Como são produtos extremamente perecíveis, a retração da demanda aliada à preferência por hortaliças passíveis de serem consumidas cozidas, ocasionaram perdas no campo.

Frutas – No caso das frutas, também não foi percebida uma queda significativa na comercialização nas Ceasas. A oferta nesses mercados, nos meses de março a maio, caiu 5% em relação a 2019 e 1% na comparação com 2018.

Com relação ao segmento varejista, este funcionou dentro da normalidade por se tratar de serviço essencial, adotando uma série de medidas sanitárias para o controle da disseminação do vírus. Já o funcionamento das feiras livres variou de estado para estado, sendo suspensas em algumas localidades e retomando o fluxo após a adoção das medidas de combate ao Covid-19. Se comparado ao momento anterior à pandemia, o fluxo de comercialização foi menor no período analisado. Com isso, os impactos foram mais sentidos junto aos produtores que tinham nestas feiras seu principal canal de comercialização.

Fonte: Conab

Últimas notícias

Menor oferta mundial de café impulsiona valores futuros

Os contratos futuros do café arábica tiveram desempenho positivo nesta semana, voltando a ...

Doze municípios do Espírito Santo passam para risco baixo de contaminação da Covid-19

O Governo do Estado anunciou, nesta sexta-feira (07), o 54º Mapa de Risco ...

Seminário discute déficit de armazenagem para grãos e aponta soluções emergenciais

A constatação da necessidade de aumentar o espaço para armazenar grãos nas principais ...

Conquistas no campo são alcançadas com o auxílio da Contribuição Sindical Rural

A Contribuição Sindical Rural (CSR) fortalece a categoria rural, e, é através dela ...

Ceasa-ES inicia coleta de culturas de produtos do mercado para análise

Ação vem sendo realizada em parceria com o MPES e a Vigilância Sanitária ...