Conab mostra políticas públicas da sociobiodiversidade como vetor de preservação e geração de renda

O resultado do estudo sobre o papel social, ambiental e econômico da sociobiodiversidade e das políticas públicas para o extrativismo mostra que os antigos conceitos ligados à produção agrícola como fator agravante para o desmatamento estão mudando. No compêndio Sociobiodiversidade: interação do homem, mercado e natureza, lançado nesta segunda-feira (31) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), os diferentes públicos envolvidos neste setor podem acessar a inter-relação entre os temas e como afetam tanto a vida dos pequenos produtores que vivem da coleta quanto o bioma em que atuam.

Segundo o economista e gerente de Programação Operacional da Agricultura Familiar da Conab, Enio Souza, autor do estudo, é comum as pessoas acharem que o desenvolvimento econômico está necessariamente atrelado ao desflorestamento. “A sensação geral é de que gerar renda e ao mesmo tempo preservar o meio ambiente são coisas incompatíveis. Da mesma forma como também associam as ações de preservação com atividades que não geram renda”, explica. “O nosso desafio hoje é provar que não existe mais essa dicotomia, pois a preservação e a conservação da natureza e dos recursos naturais são inclusive a principal engrenagem capaz de mover a economia no futuro”, complementa.

Além de explicar em detalhes as relações que existem entre estas diferentes áreas, o compêndio traz também um panorama sobre os instrumentos de apoio operados pela Conab, entre eles o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), a Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio) e o Programa de Garantia de Preços da Agricultura Familiar (PGPAF).

O trabalho é voltado à comunidade acadêmica, gestores e formuladores de políticas públicas, e busca também sintetizar o significado do termo sociobiodiversidade, além de mostrar sua importância na sociedade. “É necessário abordar o papel das políticas públicas do país nesta área, porque sem elas o extrativismo não alcança os resultados socialmente positivos que são esperados”, avalia Enio. “É essencial termos mecanismos de interferência em mercados que precisam se desenvolver e melhorar. O mundo olha para o Brasil como uma grande potência ambiental. E nós temos condições de gerar renda por meio da preservação e da conservação dos nossos recursos naturais. E a sociobiodiversidade é o termo que traduz isso”, conclui.

Clique aqui para download do compêndio “Sociobiodiversidade: interação do homem, mercado e natureza”

Fonte: Conab

Últimas notícias

CNC mantém trabalho para alavancar consumo global de café

O Conselho Nacional do Café (CNC) participa ativamente da Força-Tarefa Público-Privada do Café ...

Live da Favesu apresenta novidades para suinocultura

A organização da 6ª Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba (Favesu) iniciou, na ...

Crédito para custeio beneficia o planejamento no campo

A linha de crédito rural para custeio antecipado é uma importante ferramenta de ...

Preços de café batem recordes no mês de fevereiro no Espírito Santo

Os preços de café no Espírito Santo, em fevereiro deste ano, valorizaram em ...

Morre um dos mais importantes touros da raça Gir Leiteiro

Dragão TE morreu no dia 1º de março e deixa importante legado para ...