Conheça algumas dicas para fazer a Declaração do Imposto Territorial Rural

Foto: Julio Huber

O prazo para a entrega da Declaração do Imposto sobre a Propriedade no Território Rural (DITR), referente ao ano de 2020, se encerra em 30 de setembro. A exigência vale para pessoa física ou jurídica, titular ou possuidora a qualquer título de imóvel rural. É obrigatória a todos imóveis rurais.

Antes de entregar a DITR, no entanto, é importante ficar atento a alguns pontos fundamentais para elaboração erros. Para auxiliar nesse processo, o engenheiro agrônomo Carlos Arantes, membro do Instituto Brasileiro de Avaliações e Pericias de Engenharia de São Paulo (Ibape/SP) orienta como realizar o correto preenchimento da DITR.

Arantes explica como é cobrado o valor desse imposto. “O imposto incide sobre o VTN Tributável (VTNTrib), ou seja, o valor do imóvel menos o valor das benfeitorias (reprodutivas e não reprodutivas), sendo isentas de tributação as áreas ambientais”, disse.

O especialista explicou que conforme GU Grau de Utilização e dimensão do imóvel, a alíquota tributacional sofre uma variação. Por exemplo, um imóvel com área superior a 5 mil hectares, e GU > 80%, incidirá uma alíquota de 0,45% sobre o VTNTrib. Por sua vez, este mesmo imóvel, com GU < 30%, a alíquota será de 20% sobre o VTNTrib.

“Como é possível observar, a alíquota sofre progressões vindo a benenficiar aqueles que melhor exploram seus imóveis, obedecendo as normativas legais e ambientais”. Segundo Arantes, é necessário ter o conhecimento de alguns pontos mínimos para declarar corretamente esse imposto, como por exemplo:

  • Valor do Imóvel no primeiro dia do ano;
  • Valor das benfeitorias reprodutivas e não reprodutivas;
  • Distribuição e usos do imóvel;
  • Estoque pecuário;
  • Valor da terra nua;
  • Conhecimento da Norma ABNT 14.6533 que fala como deve ser avaliado um imóvel rural;
  • Dentre outros.

A receita federal disponibiliza um software exclusivo para esse processo, o que torna mais fácil a vida do proprietário que não precisa apresentar documentos na hora e nem sair de casa.

Embora existam essas facilidades, o engenheiro agrônomo alerta que o ITR é um imposto obrigatório. “Se você não declarar, não consegue transmitir a propriedade, podendo ser cobrado e inscrito na dívida ativa sobre o valor devido, e aí através de tabela do valor de terra que a receita tem, nem sempre igual ao valor que seria o de terra nua do seu imóvel. Para você fazer a transmissão do imóvel o cartório de registro de imóvel está exigindo as cinco últimas declarações do ITR, ou seja, você tem que estar em dia com a sua questão tributária para poder fazer transmissão do imóvel”, alerta.

Fonte: KB!COM / Comunicação Corporativa

Últimas notícias

Sescoop/ES comemora 21 anos promovendo ações em prol das cooperativas capixabas

Organização crucial para a elevação dos índices de profissionalização e de gestão das ...

Capixaba é eleito influenciador do cooperativismo brasileiro

O Prêmio Somoscoop divulgou os finalistas em cerimônia virtual O deputado federal Evair ...

Abacaxis produzidos no Espírito Santo são distribuídos a hospital

Funcionários do viveiro, extensionista do Incaper e representantes da Secretaria de Agricultura de ...

Nova cultivar de feijão carioca de alta produtividade é lançada

Foto: Sebastião Araújo/Embrapa O Brasil é um dos principais produtores e consumidores de ...

Seguro rural de florestas será avaliado em videoconferência do Mapa

Evento virtual Monitor do Seguro Rural será no dia 27 de novembro O ...