Conheça o sistema que une conservação de solo e recuperação hídrica em propriedades rurais

Foto: Assessoria de Comunicação da PMU

O sistema de barraginhas permite que pequenas bacias façam a captura de enxurradas e com que as chuvas infiltrem nos terrenos, conservando a água e o solo. Esta é, sem dúvida, uma forma simples de “plantar água” e uma tecnologia social de baixo custo que traz diversos benefícios ambientais, sociais e econômicos para os produtores rurais.

Pensando nisso, o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), em parceria com a Fundo Estadual de Recursos Hídricos e Florestais do Espírito Santo (Fundágua), elaborou um folder explicativo intitulado “Barraginhas – Conservação de solo e recuperação hídrica”, com informações completas a respeito de práticas que são fundamentais antes e depois da construção desse sistema e os seus objetivos e potencialidades nas propriedades.

Segundo a coordenadora do projeto, Cintia Bremenkamp, o projeto partiu da ideia de desenvolver um bom trabalho de adaptação e divulgação dessa tecnologia no Espírito Santo.

“Dessa forma, foi elaborado um projeto de capacitação, transferência de tecnologia e implantação do Projeto Barraginhas da Embrapa, em microbacias no Estado do Espírito Santo, onde estão sendo construídas unidades de referência em propriedades de agricultores em dez municípios capixabas, em parceria com os escritórios locais do Incaper e com os bolsistas envolvidos. Além disso, estão sendo feitas pesquisas para adaptação da tecnologia na realidade do nosso Estado, bem como a elaboração de materiais de divulgação dessa tecnologia”, contou a extensionista.

Os municípios contemplados são Atílio Vivácqua, Cachoeiro de Itapemirim, Santa Leopoldina, Laranja da Terra, São Roque do Canaã, Colatina, Água Doce do Norte, Nova Venécia, Pinheiros e Mucurici.

O projeto teve o apoio dos parceiros Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh).

“Barraginhas plantam água e mudam realidades. Primeiro é preciso plantar a água para depois colher os frutos de sua abundância”, lembrou Cintia Bremenkamp.

Fonte: Incaper

Últimas notícias

CNC mantém trabalho para alavancar consumo global de café

O Conselho Nacional do Café (CNC) participa ativamente da Força-Tarefa Público-Privada do Café ...

Live da Favesu apresenta novidades para suinocultura

A organização da 6ª Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba (Favesu) iniciou, na ...

Crédito para custeio beneficia o planejamento no campo

A linha de crédito rural para custeio antecipado é uma importante ferramenta de ...

Preços de café batem recordes no mês de fevereiro no Espírito Santo

Os preços de café no Espírito Santo, em fevereiro deste ano, valorizaram em ...

Morre um dos mais importantes touros da raça Gir Leiteiro

Dragão TE morreu no dia 1º de março e deixa importante legado para ...