Conjuntura mundial eleva preços do trigo e impacta o mercado brasileiro

Foto: Ron Lima / Divulgação / CP

Os primeiros dois meses de 2020 têm se mostrado um período turbulento e imprevisível para o mercado internacional do trigo. A conjuntura regional afetou e afetará ainda mais os preços do trigo no Brasil, o que poderá ser rapidamente percebido pela sociedade.

Apesar de o agronegócio ser uma força da economia nacional, o Brasil é dependente de trigo importado, numa demanda de 7 milhões de toneladas ao ano, o que representa 60% de suas necessidades de consumo.

A variação cambial teve um aumento de 9,5% nos primeiros 60 dias do ano, num patamar inimaginável em dezembro de 2019, forçando os moinhos brasileiros a rever a política de preço, com a necessidade de repasse dos custos adicionais.

Além disso, a maior fonte de importação de trigo do Brasil, a Argentina, acelerou suas exportações da safra do grão colhida no final de 2019, movida pela abertura de novos mercados na Ásia e quebras de safra na Austrália e Rússia. Desta forma, de uma safra recorde de 19 milhões de toneladas, a Argentina já comercializou 14,3 milhões de toneladas, tendo 12 milhões já registradas para exportação.

Estes números indicam que o trigo remanescente no país será insuficiente para as suas necessidades de consumo doméstico e, muito provavelmente, o Brasil não conseguirá se abastecer com grão desta origem, tendo que buscar outras fontes no hemisfério Norte.

Em 26 de fevereiro, a Argentina suspendeu as exportações de trigo. Como consequência, o preço do cereal argentino disparou, passando de US$ 190 para US$ 240 a tonelada em apenas 60 dias. Seguindo a tendência, o trigo brasileiro também registrou aumento de preço numa escalada semelhante.

Expectativa do mercado

Com estoques de cerca de três meses, os moinhos brasileiros vislumbram um cenário sombrio a partir de maio de 2020. Não pela falta de trigo no mercado mundial, mas pela necessidade de buscar abastecimento em outras fontes, como Estados Unidos e Rússia. Nisso reside o terceiro fator de aumento dos custos alavancados pelos valores dos fretes e pelos 10% da Tarifa Externa Comum – TEC (imposto de importação para trigos fora do Mercosul).

Outro fator igualmente impactante é a atual crise gerada pelo Covid-19 (coronavírus) com seus impactos sobre o mercado internacional. A Bolsa de Chicago (CBOT) para o trigo registrou preços mais baixos, pressionados pela firmeza do dólar frente a outras moedas, reflexo do avanço da doença fora da China.

Se por um lado esta crise tem pressionado para baixo o preço do trigo, fatores ainda desconhecidos de barreiras de trânsito internacional de mercadorias podem vir a impactar os preços negativamente.

O conjunto de fatores formado pelo câmbio, preços do trigo argentino, aumento de custos logísticos e imposto de importação (TEC) projetam um cenário de fortes pressões sobre os preços da farinha de trigo no Brasil entre 15 e 20%.

As informações são da Abitrigo, que é uma entidade de abrangência nacional que congrega moinhos de trigo. Atua como interlocutora do setor junto ao governo, mídia, entidades representativas da cadeia do trigo nacional e de outros países.

Últimas notícias

Controle de plantas aquáticas será feito com tecnologia de última geração pela Itaipu

Fotos: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional A Itaipu Binacional vai modernizar o monitoramento do reservatório ...

Apreendidos 19 pássaros da fauna silvestre brasileira em Itapemirim

Foto: PMA Uma equipe de policiais da 4ª Companhia de Batalhão de Polícia ...

Apreendida carne ilegal que estava sendo vendida em Santa Maria de Jetibá

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (PPMA), em ação conjunta com a equipe ...

Conheça uma produção de café sustentável e tecnológica

A produção de café conilon do cafeicultor Gerson Camiletti, em Sooretama, foi aperfeiçoada ...

Agro brasileiro mostra-se inovador, tecnológico, produtivo e sustentável em Congresso de Marketing do Agro ABMRA

“Essa edição do Congresso ABMRA reuniu diversos elos da cadeia e conseguiu trazer ...