Consulta pública sobre Agenda Regulatória para saneamento será esclarecida durante live

Na próxima terça-feira (15), às 10h, a Diretoria Colegiada e membros do Grupo de Trabalho em Saneamento Básico da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) apresentarão detalhes da consulta pública em andamento sobre a proposta para o Eixo 5 da Agenda Regulatória da instituição – que trata de normas de referência da Agência para o saneamento entre 2020 e 2022. Os servidores da ANA esclarecerão dúvidas da sociedade sobre a proposta de planejamento da Agência para elaboração de normas de referência, contendo diretrizes para o saneamento. O evento será transmitido ao vivo por meio do YouTube da ANA, onde serão recebidas as dúvidas enviadas pela audiência.

Aberta em 10 de setembro, a consulta pública receberá sugestões da sociedade até 25 de outubro por meio do link (https://participacao-social.ana.gov.br/Consulta/82). Na página o público pode acessar os principais documentos relacionados à Agenda Regulatória da ANA para saneamento: a Nota Técnica nº 7/2020/GT SANEAMENTO e seus três anexos A proposta possui 22 normativos a serem produzidos entre 2020 e 2022, incluindo normas de procedimentos e normas de referência relacionadas aos eixos de governança, regulação técnica, regulação contratual e regulação econômica do saneamento.

A proposta produzida pelo GT SANEAMENTO da ANA considerou as normas de referência para o setor sob responsabilidade da Agência, de acordo com o novo marco legal do saneamento contido na Lei nº 14.026/2020. Outro aspecto levado em consideração são os diferentes componentes do setor: água potável e esgotamento sanitário, limpeza e manejo de resíduos sólidos, assim como drenagem e manejo de águas pluviais urbanas.

Segundo a proposta da ANA, as quatro normas previstas para serem discutidas ainda em 2020 e elaboradas no primeiro semestre de 2021 são sobre: procedimentos para elaboração das normas de referência pela Agência, reequilíbrio econômico-financeiro para água e esgoto, instituição de taxa ou tarifa para resíduos sólidos urbanos e indenização de ativos para água e esgoto.

Para que a proposta fosse formulada, a ANA realizou 15 reuniões com segmentos do setor de saneamento para ouvir representantes de todas as agências reguladoras infranacionais do Brasil. Também foi feito um recorte regional para que a ANA pudesse levar em consideração as especificidades locais. Um total de 50 agências, bem como associações com atuação em saneamento, propuseram as prioridades para a elaboração das normas de referência. Na elaboração da proposta, a ANA também ouviu seus servidores por meio de consulta interna.

Após os encontros com os atores setoriais para discutir os temas prioritários para a regulação de saneamento, a Agenda Regulatória para o Eixo 5 foi elaborada com base em seis diretrizes:

  • atender aos prazos e diretrizes legais definidos na Lei nº 14.026/2020.
  • contribuir para o aumento da segurança jurídica e regulatória e para uma prestação eficaz e eficiente;
  • incorporar as percepções coletadas ao longo das reuniões com as entidades representativas do setor;
  • buscar adequar a proposta à capacidade operacional da ANA em formular as normas de referência e à capacidade das agências reguladoras e prestadores de serviços em se adaptarem às novas exigências;
  • selecionar normas para as quais as agências reguladoras e Poder Concedente (quando for o caso) tenham condições de implementar; e
  • ordenar as normas de referência no tempo, priorizando aquelas cujos prazos legais são mais restritivos.

ANA e o marco legal do saneamento

Com a publicação do novo marco legal do saneamento básico, a ANA passou a se chamar “Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico”. Outra alteração trazida pela Lei nº 14.026/2020 foi a nova atribuição regulatória da instituição: editar normas de referência, contendo diretrizes, para a regulação dos serviços públicos de saneamento básico no Brasil. A mudança busca uniformizar normas do setor para atrair mais investimentos para saneamento.

Tais regras terão diretrizes gerais sobre padrões de qualidade e eficiência na prestação; manutenção e operação dos sistemas de saneamento básico; regulação tarifária dos serviços públicos de saneamento; metas de universalização de tais serviços; redução progressiva e controle das perdas de água; sistema de avaliação do cumprimento de metas de ampliação e universalização da cobertura dos serviços públicos de saneamento básico; dentre outros temas.

Para saber mais sobre a nova competência da ANA na regulação do saneamento, acesse a página www.ana.gov.br/saneamento que contém informações para que todos possam compreender melhor o que muda no para a Agência com o novo marco legal do saneamento.

Fonte: ANA

Últimas notícias

Senar lança cursos gratuitos de drones e inseminação artificial. Inscreva-se!

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) lançou três cursos de curta duração, ...

Especialistas do Brasil e exterior debatem mercado halal

O fórum de negócios Global Halal Brazil ocorre na próxima semana e terá ...

Estados Unidos mudam regras para ingresso de cães procedentes do Brasil

Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, ...

Entidades afirmam que caso das búfalas de Brotas foge à regra dos produtores

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) publicou ...

Cadeia produtiva do leite é destaque em novo Boletim da Agricultura Familiar da Conab

Já está disponível, no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação ...