Embrapa integra esforço internacional para monitorar a Covid-19

A Embrapa, que já contribui em âmbito nacional de diversas formas no enfrentamento da pandemia causada pelo coronavírus, entra em mais uma frente de atuação e vai coordenar no Brasil uma iniciativa que já envolve 13 países. A Embrapa Instrumentação (São Carlos- SP), um de seus 42 centros de pesquisa, está integrando um esforço internacional batizado de projeto “CoronaSurveys”. A proposta da iniciativa é monitorar a incidência da Covid-19 por meio de pesquisas abertas e anônimas.

O projeto vai coletar e publicar dados referentes ao número de pessoas que contraíram e/ou manifestaram sintomas compatíveis com a Covid-19 em diferentes países. Os dados serão úteis para estimar o número de pessoas infectadas pelo coronavírus em um determinado momento, assim como a evolução ao longo do tempo.

“Além de contribuir na divulgação, a Embrapa Instrumentação apoiará o projeto em pesquisa e desenvolvimento focados na análise e modelagem dos dados obtidos”, explica o doutor em Ciências da Computação e Matemática Computacional, Ednaldo José Ferreira.

Para participar da pesquisa é só acessar a página do projeto: https://coronasurveys.org. São cerca de dois minutos para responder as questões. Um vídeo, com considerações sobre o preenchimento do questionário está disponível no canal oficial da Embrapa no Youtube: https://youtu.be/HTrgqvPFfuc. De acordo com Ferreira, a carência de testes laboratoriais e subnotificações provocam impactos consideráveis nas estatísticas da pandemia na maioria dos países.

“Aquilo que vemos, em termos de estatísticas de contaminados é somente a ponta do iceberg da contaminação. Existem alguns estudos que visam estimar o tamanho do iceberg. No componente científico do projeto, o CoronaSurveys alinha-se com tais estudos, mas o faz por meio de um sistema de informações simplificado e baseado no conhecimento das multidões. Os resultados preliminares obtidos para Portugal e Espanha foram muito promissores nas estimativas dos icebergs de contaminados daqueles países”, esclarece Ferreira.

O CoronaSurveys é conduzido em âmbito internacional por uma equipe liderada pelo pesquisador do Instituto Madrileño De Estudios Avanzados (IMDEA), Antonio Fernandes Anta, e envolve universidades e institutos de pesquisa. Entre elas estão a Universidade de Washington (EUA), a Universidade Di Trento (Itália), a Universidade de Kaiserslautern (Alemanha) e a Universidade de Edimburgo (Escócia).

A forte atuação na área de Ciência de Dados, eixo importante do projeto CoronaSurveys,  e a estreita relação com uma rede de parceiros, que inclui instituições como a Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Araraquara, balizaram o convite realizado a Ferreira para contribuir com a pesquisa.

“Esforços científicos de modelagem para melhorar estimativas e outros que auxiliem na divulgação da iniciativa são muito bem-vindos”, comentou o líder espanhol do CoronaSurvey ao manifestar o interesse na participação do especialista brasileiro no projeto.

O chefe-geral da Embrapa Instrumentação, João de Mendonça Naime, lembrou que a Empresa já contribui com diferentes ações no combate ao novo coronavírus, como a disponibilização de infraestrutura, equipamentos e pessoal para realização de testes RT-PCR; doação de EPIs laboratoriais e promoção de campanhas de doação de alimentos para a população carente.

Além disso, foram submetidos projetos de pesquisa a diversos órgãos de fomentos, visando à obtenção de recursos para o combate à pandemia, participação no Comitê de Crise do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para monitoramento de impactos do coronavírus na produção agrícola e no abastecimento de alimentos.

“Agora a Embrapa dá mais uma contribuição importante com o apoio institucional e a participação efetiva do cientista da computação Ednaldo José Ferreira no projeto CoronaSurveys. A iniciativa internacional está obtendo um grande volume de dados que formarão retratos mais fidedignos da expansão da pandemia ao longo do tempo e, assim, embasar os gestores para elaboração de medidas mais efetivas de combate ao Coronavírus”, salienta Naime.

 “Tenho interesse em contribuir cientificamente e na divulgação do esforço como uma ação cidadã, mas vi uma excelente oportunidade para uma participação e contribuição institucional, uma vez que o tema “pandemia” é transversal e também afeta o agro”, diz Ferreira.

Ele acredita que os esforços em modelagem de dados, em um projeto como este poderão trazer experiências enriquecedoras que ajudarão a traçar cenários diante de novos surtos, epidemias e pandemias ou até mesmo em sinistros sanitários diretamente ligados ao agro.

Texto: Joana Silva/Embrapa Instrumentação

Últimas notícias

Rastreabilidade do gado atende às exigências do mercado europeu e proporciona maior rentabilidade aos pecuaristas

O mercado internacional de carne bovina está em crescimento. Segundo o USDA, serão ...

Cinco plantas para melhorar a energia do lar

Elas servem para perfumar, embelezar e até mesmo para alimentar. Mas o que ...

Oeste da Bahia vai ampliar cultivo de cereais e pode ajudar autossuficiência do Brasil

A triticultura da região oeste da Bahia pode contribuir na busca por autossuficiência ...

Mundo digital é uma oportunidade de negócios no agro

O agronegócio avançou fortemente em termos de digitalização durante a pandemia do novo ...

Estudantes realizam ação de reflorestamento em Colatina

A atividade foi coordenada pelo Núcleo de Educação Ambiental e Agroecologia Estudantes e ...