Encontro ambiental do projeto-piloto Rio Mangaraí é realizado pelo Incaper em Santa Leopoldina

O encontro presencial reuniu estudantes, população local e representantes públicos do município.

Um encontro ambiental foi realizado pelos executores do projeto-piloto Rio Mangaraí, em Santa Leopoldina, na última semana, e reuniu estudantes, população local e representantes públicos do município. A iniciativa faz parte de uma das etapas do projeto, que é coordenado pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper). O evento também foi transmitido ao vivo pelo canal do Incaper no YouTube e já está alcançando 500 visualizações. 

O eixo de educação ambiental, mobilização social e empoderamento feminino do projeto-piloto Rio Mangaraí é executado pelo consórcio Synergia TPF, também responsável pela realização do encontro. A programação contou com painéis sobre: situação físico hídrica da bacia do Rio Mangaraí; impacto dos sedimentos para distribuição de água de qualidade; e perspectivas do licenciamento para a Bacia do Mangaraí.

O especialista em conservação de recursos hídricos e consultor da Synergia TPF, Rinaldo de Oliveira Calheiros, ministrou o primeiro painel sobre a situação físico hídrica da bacia, em que foram destacadas práticas conservacionistas para inibir a degradação do solo.

“É uma oportunidade muito importante para apresentar alguns dados sobre os aspectos de erosão da bacia do Mangaraí, que será o piloto em termos de conservação para toda a bacia do rio Santa Maria. Apresentamos uma série de elementos de degradação que estão contribuindo fortemente para que a água tenha mais sedimentos e cause o problema para o abastecimento da Grande Vitória”, explicou. 

O especialista em conservação de recursos hídricos destacou ainda os elementos que contribuem com a degradação como: ausência de mata de topo de morro e de mata ciliar, falta de terraceamento e cordões de contorno etc. “Essas práticas conservacionistas, além de contribuírem para melhorar a qualidade da água, trazem muita melhoria para a qualidade de vida da população do Mangaraí. Uma vez que você preserva o solo, você preserva a fertilidade do solo, aumenta a produção de água e de diferentes culturas que hoje são desenvolvidas aqui”, completou Calheiros. 

O segundo painel foi conduzido pelo analista de Saneamento e Gestão Ambiental da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan), André Sefione. Em seguida, a engenheira agrônoma da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente da Prefeitura de Santa Leopoldina, Diene Bremenkamp, apresentou o painel sobre as perspectivas do licenciamento para a Bacia do Mangaraí.

Na ocasião do encontro, em 11 de novembro, também foi feita a entrega da licença ambiental para realização das obras de revitalização das estradas que cercam a sub-bacia do Rio Mangaraí. O licenciamento foi concedido pela Prefeitura de Santa Leopoldina e entregue aos executores do projeto. 

“A licença ambiental é uma forma de planejamento, de organização para que ações sejam executadas com responsabilidade. A gente espera que esse projeto melhore a água, o solo e as condições de quem vive aqui na região do Mangaraí”, disse Antônio Machado, diretor-presidente do Incaper

Entre os propósitos da realização do encontro estavam a divulgação da situação atual da bacia e identificação das próximas ações que serão feitas para a conscientização dos moradores da região, explicou a coordenadora do projeto-piloto Rio Mangaraí e extensionista do Incaper, Cíntia Bremenkamp. 

“Como é um projeto piloto, o que identificarmos aqui na bacia do Mangaraí poderá servir de exemplo para identificação de causas em outras bacias, salvo as devidas proporções e algumas peculiaridades. De modo geral, muitos problemas identificados aqui estão presentes na maioria das bacias do Estado”, disse a extensionista. 

Leia mais sobre as ações do projeto-piloto Rio Mangaraí no site do Incaper.

Fonte: Incaper

Últimas notícias

Valor da contribuição mensal do MEI vai aumentar em fevereiro

Os microempreendedores individuais devem ficar atentos ao reajuste na contribuição mensal, que passa ...

Impacto ambiental urbano pode ser maior que do agro

O Brasil teve um ano de destaque no direito ambiental e terá que ...

Produção de café deve atingir 55,7 milhões de sacas na safra de 2022

Os produtores de café deverão colher a terceira maior safra do grão neste ...

Produtores celebram colheita e resultados da primeira safra de Uvas em Guarapari

Sandra Butke, em suas parreiras no início da produção. Para diversos produtores rurais ...

Ceasa-ES orienta produtores sobre armazenamento adequado de alimentos

A ação, que teve início na última quinta-feira (13) e tem previsão de ...