Estudantes conversam com representantes de cooperativas de Santa Maria de Jetibá

O cooperativismo é uma filosofia de vida que já faz parte da rotina dos alunos da Cooperativa Educacional Centro-Serrana (Escola Cooperação), localizada em Santa Maria de Jetibá. E neste mês de setembro, o tema tem ganhado ainda mais força durante as aulas, com uma atividade desenvolvida com a turma do 5º ano da unidade educacional. Para aprenderem mais sobre como funciona esse modelo de negócios, os estudantes estão tendo a oportunidade de conversar com representantes de diversas cooperativas da região.

De acordo com a professora Elisângela Lemke Hauch, que vem realizando a ação, a ideia surgiu como uma forma de dinamizar os encontros virtuais. Com o advento da pandemia provocada pelo novo coronavírus (Covid-19), a cooperativa adaptou os encontros para o formato on-line. Com isso, a unidade escolar vem procurando formas diferentes e envolventes que colaborem diretamente com o processo de ensino-aprendizagem, por meio de iniciativas diferenciadas.

A primeira convidada para o bate-papo foi a pequena Lavínia, que é aluna da instituição e presidente da Cooperativa Mirim de Santa Maria de Jetibá (CooperJetibá). “Essa foi a nossa primeira escolha porque, possivelmente, os nossos alunos já poderão ser cooperados da cooperativa no próximo ano”, contou a professora. Na oportunidade, Lavínia falou um pouco sobre a história do cooperativismo e da cooperativa da qual faz parte.

Ao longo do mês de setembro, os encontros seguiram com o presidente da Cooperativa de Transportes da Região Serrana (Coopetranserrana), Luis Krauze; com o diretor administrativo da Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi), Ederson Jacob; com a diretora operacional do Sicoob Centro-Serrano, Jaqueline Timm Domingos; com a diretora pedagógica da Cooperação, Amanda Schulz Wruck; e com o presidente da Cooperativa dos Agricultores Familiares da Região Serrana do Espírito Santo (CAF Serrana), Selene Hammer Tesch.

Segundo Elisângela, o momento foi marcado pela riqueza de informações e compartilhamento de conhecimentos. “Mandamos ofício para os convidados e combinamos que seria uma conversa breve, de mais ou menos 20 minutos. Mas os nossos alunos foram tão participativos que nenhum bate-papo durou menos de uma hora. E foi muito bacana, porque todos os representantes se colocaram à disposição tirar todas as dúvidas”, contou.

O momento também serviu para ajudar os alunos a pensarem ações para o futuro. “Tivemos o caso de uma de nossas alunas perguntando o que era preciso fazer para criar uma cooperativa, porque ela quer ser dentista no futuro e abrir uma cooperativa com outros dentistas”, comentou.

Os encontros virtuais foram o primeiro passo dessa atividade. Após o fim das conversas com os representantes, os alunos vão gravar vídeos sobre o tema que serão utilizados nas aulas de cooperativismo com os estudantes do 1º ao 4º ano.

Fonte: OCB/ES

Últimas notícias

Guaraná da Terra Indígena Andirá-Marau é a primeira Indicação Geográfica para povo indígena

A Terra Indígena Andirá-Marau, localizada nas divisas dos estados do Amazonas e do ...

Conab traz impacto de alta temperatura nas frutas e hortaliças comercializadas no atacado

As altas temperaturas registradas em setembro trouxeram impactos na comercialização das principais frutas ...

Ministras da Agricultura do Brasil e de Portugal debatem o papel da mulher no agronegócio

Na próxima segunda-feira, dia 26 de outubro, começa a 5ª edição do Congresso ...

Seca é registrada em 52% do Espírito Santo em setembro

A última atualização do Monitor de Secas aponta que, no Espírito Santo, as ...

Acordo de cooperação promoverá a agricultura familiar em destinos de turismo rural

Visitar um destino de turismo rural e lá saborear delícias produzidas por agricultores ...