Estudos apontam que alimentos brasileiros estão entre os mais seguros do mundo

De acordo com estudos realizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e confirmados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), os alimentos brasileiros estão entre os mais seguros do mundo com relação a contaminações de produtos agroquímicos.

De acordo com o relatório da Anvisa, 77% das amostras de alimentos brasileiros analisadas foram consideradas satisfatórias, sendo que em 49% delas não foram detectados resíduos de pesticidas.

Em 28% das amostras, os resíduos estavam em concentrações inferiores ao Limite Máximo de Resíduos (LMR) estabelecido pela própria Agência. Foram analisadas 4.616 amostras de 14 alimentos de origem vegetal e a pesquisa identificava até 270 substâncias químicas nesses produtos.

“Entre as amostras consideradas insatisfatórias (23%), a grande maioria (20,4%) apresentou resíduos de agroquímicos não permitidos para a cultura – um problema burocrático e não de saúde pública –, enquanto 2,27% das amostras foram flagradas com resíduos acima do LMR”, comenta o executivo da CropLife Brasil, entidade que realizou o levantamento, Christian Lohbauer.

O estudo do Ministério da Agricultura confirmou os dados da Anvisa, com apenas algumas pequenas variações. A única diferença entre os levantamentos é que, enquanto a Anvisa coleta as suas amostras no varejo, o Mapa foca na outra ponta da cadeia, buscando as frutas, verduras e grãos diretamente nas fazendas.

“No total, foram avaliadas 4.828 amostras, com um índice de conformidade em relação aos defensivos de 89%. Entre os 11% de amostras em inconformidade, 6,6% foram identificadas com produtos não autorizados para a cultura, enquanto 2,7% estavam acima do LMR e 1,5% continham resíduos de produtos proibidos no Brasil”, aponta Lohbauer.

De acordo com ele, os resultados atestam a qualidade e a segurança dos vegetais produzidos no país. “Apenas como comparação, na Europa a média de alimentos com resíduos acima do LMR chega a 4,1%. Nos Estados Unidos, 3,8%. Vale destacar, ainda, que se consideramos os parâmetros estabelecidos pelo Codex Alimentarius ou pela Comissão Europeia, os índices de conformidades dos produtos produzidos no Brasil seriam ainda maiores, já que a legislação brasileira é mais restritiva do que a internacional”.

“Como vimos, o cenário é positivo, mas pode melhorar. Na questão dos produtos não aprovados para a cultura, é preciso concentrar esforços na aprovação de novas moléculas e na extensão de uso de produtos já disponíveis no mercado. Já o problema dos alimentos com resíduos acima do LMR só será resolvido com programas de educação e treinamento junto aos produtores – um dos focos prioritários da CropLife Brasil. O que é bom deve ficar ainda melhor. O desafio da CropLife Brasil é fazer com que o índice de conformidade dos nossos alimentos seja de 100%”, conclui.

Com informações: Leonardo Gottems/Agrolink

Últimas notícias

CNC mantém trabalho para alavancar consumo global de café

O Conselho Nacional do Café (CNC) participa ativamente da Força-Tarefa Público-Privada do Café ...

Live da Favesu apresenta novidades para suinocultura

A organização da 6ª Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba (Favesu) iniciou, na ...

Crédito para custeio beneficia o planejamento no campo

A linha de crédito rural para custeio antecipado é uma importante ferramenta de ...

Preços de café batem recordes no mês de fevereiro no Espírito Santo

Os preços de café no Espírito Santo, em fevereiro deste ano, valorizaram em ...

Morre um dos mais importantes touros da raça Gir Leiteiro

Dragão TE morreu no dia 1º de março e deixa importante legado para ...