Exportações de café brasileiro atingem 3,1 milhões de sacas em março

Embarques no mês registraram aumento significativo em receita cambial e preço médio da saca de café, na comparação com março de 2019

O Brasil exportou em março deste ano 3,1 milhões de sacas de café, considerando a soma de café verde, solúvel e torrado & moído, mantendo o mesmo patamar do volume exportado em março de 2019. A receita cambial gerada no mês com as exportações foi de US$ 423,72 milhões, aumento de 6,1% em relação a março de 2019. Já o preço médio da saca foi de US$ 135,72, alta de 6% na mesma comparação. Os dados são do relatório compilado pelo Cecafé, Conselho dos Exportadores de Café do Brasil.

Com relação às variedades embarcadas no mês passado, o café conilon (robusta) apresentou um relevante aumento nas exportações, de 30,2% em relação a março de 2019, com 248,5 mil sacas exportadas (8% da participação das exportações por variedade). Já o café arábica representou 82,2% do volume total de café exportado no mês, com 2,6 milhões de sacas embarcadas, enquanto que o café solúvel representou 9,8% dos embarques, com a exportação de 306 mil sacas.

“No mês de março, o desempenho das exportações foi muito positivo, pois os volumes exportados se mantiveram nos mesmos patamares de março/2019, mesmo diante das limitações impostas pelo cenário atual de crise e da safra menor de 19/20. O segmento exportador trabalhou intensamente nos preparos do café, na logística, nos escritórios e áreas portuárias, seguindo todas as orientações da OMS e dos órgãos públicos de saúde federal, estaduais e municipais, para conseguir o melhor resultado possível.

Com quase 300 anos de existência no Brasil, o agronegócio café enfrenta um dos períodos mais difíceis, já tendo passado, no último século, pelas grandes guerras, o crash da Bolsa de Nova Iorque e a Guerra Fria. Nesse contexto, o café brasileiro reitera a sua solidez e maturidade, com uma cadeia produtiva unida e capaz de continuar atendendo seus consumidores internos e externos com seus cafés de qualidade e sustentáveis”, declara Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé.

De janeiro a março de 2020, o Brasil exportou 9,6 milhões de sacas de café, com destaque para o crescimento de 24,9% nas exportações de café robusta (equivalente a 691,2 mil sacas) na comparação com o primeiro o mesmo período do ano passado. A receita cambial gerada pelas exportações no período foi de US$ 1,3 bilhão e o preço médio foi de US$ 135,48, registrando aumento de 3,3%.

DESTINOS – No primeiro trimestre de 2020, o principal destino de café brasileiro segue sendo os Estados Unidos, que importaram 1,8 milhão de sacas no período (19,3% de participação no total das exportações). A Alemanha, segundo maior consumidor, importou 1,7 milhão (equivalente a 17,8% de participação nos embarques) e a Itália, terceiro maior consumidor, importou 939 mil sacas (9,8%). Na sequência, estão a Bélgica, com 493,6 mil sacas (5,2%); Japão, com 485,6 mil sacas (5,1%); Federação Russa, com 322,5 mil sacas (3,4%); Turquia, com 282,6 mil sacas (2,9%); Espanha, com 245,2 mil sacas (2,6%); Canadá, com 221,2 mil sacas (2,3%); e França, com 203,8 mil sacas (2,1%).

Entre os destinos listados, a Federação Russa e a Espanha se destacaram ao apresentar um crescimento significativo na compra de café brasileiro, se comparado ao primeiro trimestre de 2019. Os aumentos foram de, respectivamente, 23,7% e 28,5%. 

Entre os continentes e blocos se destacam as exportações para os países da África, que registraram aumento de 44,5% (205 mil sacas), América Central, 29,2% (25,3 mil sacas), países do BRICS, 23,8% (435,7 mil sacas), Leste Europeu, 21,4% (495,8 mil sacas), Mercosul, 11,2% (166,9 mil sacas) e para os países produtores, 10,1% (418,6 mil sacas).

CAFÉS DIFERENCIADOS – No primeiro trimestre deste ano, o Brasil exportou 1,6 milhão de sacas de cafés diferenciados (aqueles que têm qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis) que representaram 16,7% do total embarcado no período. A receita cambial dessa modalidade foi de US$ 284 milhões, correspondendo a 21,9% do total gerado com os valores da exportação de café no período. Já o preço médio da saca de cafés diferenciados ficou em US$ 177,16.

Os 10 maiores países importadores da modalidade representaram 77,7% dos embarques no período de janeiro a março deste ano. Os Estados Unidos seguem sendo o país que mais recebe cafés diferenciados do Brasil, com 304,6 mil sacas exportadas (equivalente a 19% de participação nas exportações da modalidade), seguido pela Alemanha, com 213,3 mil sacas (13,3%) e Itália, com 162,7 mil sacas (10,2%). Na sequência estão: Japão, com 160,9 mil (10%); Bélgica, com 150,9 mil (9,4%); Reino Unido, com 66,9 mil (4,2%); Suécia, com 50,7 mil sacas (3,2%); Finlândia, com 46,3 mil sacas (2,9%); Coréia do Sul, com 46 mil sacas (2,9%); e Países Baixos, com 43,1 mil sacas (2,7%).

ANO BASE – Nos nove primeiros meses do Ano-Safra 2019/20 (jul/19-mar/20), o Brasil exportou 29,9 milhões de sacas de café, com destaque para o crescimento de 19,1% nas exportações de café robusta na mesma base comparativa da safra anterior. A receita cambial com as exportações no período até agora foi de US$ 3,8 bilhões e o preço médio foi de US$ 128,63.

PORTOS – O Porto de Santos segue na liderança como via de escoamento do café neste ano, com 82,8% de participação (7,9 milhões de sacas embarcadas por ele). Os portos do Rio de Janeiro figuram o segundo lugar, com 11,5% de participação (1,1 milhão de sacas embarcadas por eles).

O relatório completo das exportações de café de março de 2020 está disponível no site do Cecafé: http://www.cecafe.com.br/.

Fonte: Cecafé

Últimas notícias

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...

Campanha pretende estimula consumo do produto no país

Tema foi debatido durante reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite ...

Conab afirma que clima prejudica oferta de hortaliças e frutas no país

Quem procura preços baixos no atacado terá que aguardar mais um pouco até ...

Congresso Brasil-Alemanha de Inovação acolhe também o tema de sustentabilidade

Um dos eventos mais tradicionais do ecossistema brasileiro de inovação e o maior ...