Florianópolis investe na Agricultura Urbana

Foto: Gabriel Fontes

Ampliar, fortalecer e consolidar as diversas formas de fazer agricultura nas cidades, expandir o número de hortas urbanas em espaços de áreas verdes de lazer e intensificar o acesso da população a alimentos saudáveis e sem agrotóxicos. Esses são alguns dos objetivos principais do Cultiva Floripa, programa criado pela Prefeitura de Florianópolis , por meio do Programa Municipal de Agricultura Urbana (PMAU). 

O programa realiza e incentiva em Florianópolis as melhores práticas para produção agroecológica de plantas alimentícias e medicinais, valorização de resíduos orgânicos, segurança alimentar e nutricional e integração social. Prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro ressaltou a importância do investimento nas práticas sustentáveis no município. 

— Seguimos incentivando e dando visibilidade à agricultura urbana em Florianópolis. Além de promover a saúde e preservação do meio ambiente, muitas dessas ações são importantes porque reduzem gastos públicos do município —  disse.

COMPOSTAGEM – O município de Florianópolis já adota conceito inovador e sustentável para a gestão dos resíduos sólidos orgânicos. A compostagem e a vermicompostagem são importantes mecanismos para diminuir a quantidade de resíduo orgânico destinado ao aterro sanitário. Hoje, de todos os resíduos domiciliares recolhidos pelos caminhões da Comcap, 35% são orgânicos (24% restos de alimentos e 11% resíduos verdes como podas, restos de jardinagem e folhas varridas na limpeza pública). Ou seja, aproximadamente 70 mil toneladas de resíduos orgânicos que, se separados na fonte geradora, poderiam ser desviadas do aterro sanitário a cada ano.

Em 2019, foram processadas 1,4 mil toneladas de restos de alimentos no Centro de Valorização de Resíduos (CVR) da Comcap no Itacorubi, em parceria com Associação Orgânica, e trituradas 2,6 mil toneladas de podas.  Isso representa mais de R$ 1 milhão entre a economia nos gastos do município com aterro sanitário e o valor social gerado com a produção de cepilho e composto. 

No Parque Ecológico do Córrego Grande, o serviço conhecido como Família Casca é uma das ações vinculadas ao PMAU. Criado a partir de uma iniciativa de extensão da UFSC, e hoje coordenado pela Floram, o serviço oferece uma estrutura para recebimento e tratamento de resíduos orgânicos, onde os moradores participam levando ao ponto de entrega voluntária seus resíduos orgânicos e recebendo em troca composto para o cultivo em suas residências Além disso, o diferencial do Família Casca é ser uma unidade educativa onde a Floram, através do departamento de educação ambiental realiza ações de sensibilização com a comunidade, escolas e grupos interessados.

Fernando Reichert, morador da capital e contribuinte do Família Casca, conta que o projeto é imprescindível.— A experiência só me trouxe benefícios, além de não colocar pesos desnecessários nos sacos de lixos comuns, tenho a satisfação de contribuir com a reciclagem. Estamos todos de parabéns em realizar algo cada vez mais necessário — conta.

HORTAS – O composto orgânico produzido no pátio de compostagem da Comcap é utilizado na manutenção e construção das hortas comunitárias e institucionais, proporcionando o retorno de nutrientes essenciais ao solo e contribuindo para uma cidade mais sustentável. Essas atividades ocorrem com o apoio de demais órgãos municipais, como a Secretaria da Saúde, Secretaria de Educação e Secretaria de Assistência Social, por exemplo. Desde 2017, quando foi implantado o PMAU no município, foram criadas hortas em 60% das Unidades Básicas de Saúde, e implantadas aproximadamente 100 hortas comunitárias e escolares. 

Diretor de Pesca, Maricultura e Agricultura de Florianópolis, Hazael Batista explica a importância dessas atividades para a comunidade.

— As hortas construídas nas escolas públicas municipais são fundamentais para contribuir com a educação ambiental na cidade, uma vez que o envolvimento dos alunos, pais e servidores da educação proporciona às crianças e adolescentes atitudes e hábitos alimentares sadios assim como o saber para preservar o meio ambiente de forma sustentável — esclarece.

FEIRAS – O Cultiva Floripa também tem o objetivo de apoiar a comercialização de produtos orgânicos derivados da agricultura urbana de base agroecológica em diversos pontos da cidade, através de realização de feiras livres orgânicas e convencionais. Hoje, diversas feiras orgânicas ocorrem no município, uma delas acontece bem no centro da cidade. A feira de orgânicos “VIVA a CIDADE” bem ao ladinho do TICEN.

A gestão do programa é compartilhada e envolve a Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram), a Secretaria Municipal de Saúde, a Secretaria Municipal de Educação, a COMCAP e a Superintendência de Pesca, Agricultura e Maricultura de Florianópolis, com apoio de demais órgãos municipais.

Fonte: Prefeitura de Florianópolis

Últimas notícias

Preço do leite ao produtor sobe, mas custos de produção reduzem margens

O preço do leite recebido pelo produtor manteve a tendência de alta no ...

Estimativa de safra de café é reduzida pela Conab e próxima colheita preocupa

Foto: Julio Huber O país deverá produzir aproximadamente 46,9 milhões de sacas de ...

Deflagrada nova edição da Operação Mata Atlântica em Pé

Teve início ontem (20), a Operação Mata Atlântica em Pé, iniciativa voltada ao ...

Cursos de tratorista e cultivo de cacau exclusivos para mulheres

Registro de ação do projeto “Mulheres do Cacau” com produtoras rurais As mulheres estão ...

Mapa destrói 58 mil garrafas de azeite de oliva fraudado

Foi a maior apreensão já realizada pelo Ministério da Agricultura no país desde ...