França bane palavra “carne” dos produtos plant based e entidade brasileira defende ajustes na lei nacional

O governo da França, um dos maiores mercados de alimentos do mundo, assinou decreto que proíbe o uso de nomes de carne como “bife” e “salsicha” em alimentos proteicos à base de plantas.

A França é o primeiro país da União Europeia a fazer tal movimento, que se espalha pelo mundo com o objetivo de bem-informar e não confundir a cabeça dos consumidores.

“Não será possível usar terminologia específica do setor tradicionalmente associada à carne e peixe para designar produtos que não pertencem ao mundo animal e que, em essência, não são comparáveis”, diz o decreto oficial.

A associação francesa da indústria de carnes (Interbev) divulgou que “este é um primeiro passo em território francês, pioneira na proteção de seus nomes, que deve ser estendida em nível europeu”.

“Quando esta proibição ocorrerá no Brasil? E até quando os pecuaristas brasileiros aceitarão passivamente esta propaganda enganosa? Está na hora de reagirmos. Devemos reivindicar para que seja praticada a verdade. Se plant based não é carne – aliás, são alimentos super processados, cujos efeitos ainda não estão claros no organismo –, então não pode ser denominada como carne. Simples assim”, assinala o cardiologista e pecuarista Nabih Amin El Aouar, presidente da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), entidade que reúne os criadores da raça Nelore no país.

Nabih destaca que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) realizou, por meio da Portaria nº 327, de 2 de junho de 2021, consulta pública para a tomada de subsídios para a regulamentação dos produtos processados de origem vegetal. Por iniciativa da ACNB, a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Carne Bovina, com respaldo do professor e doutor Sérgio Pflanzer (FEA/UNICAMP), elaborou documento, no qual foi pontuada “a importância da regulamentação do assunto, especialmente visando impedir a utilização de nomes, definições e argumentações que possam confundir ou enganar o consumidor”.

Destacou ainda a diferença quanto a diversos aspectos nutricionais dos produtos que se dispõem a ser análogos às proteínas animais, “além de reafirmar que, por ser produtos muito diferentes, os chamados plant based não podem receber os mesmos nomes dos produtos de origem animal já plenamente conhecidos pelos consumidores e regulamentados pelo MAPA”, informa o presidente da ACNB.

“Assim como o governo da França, está na hora de o governo brasileiro, por meio do MAPA, se posicionar sobre o tema. Nossos objetivos principais são dois: mostrar que plant based não é carne e fornecer a correta informação para os consumidores”, explica Nabih Amin El Aouar.

Fonte: Texto Comunicação Corporativa

Últimas notícias

Concurso de Qualidade de Amêndoas de Cacau Capixaba chega à etapa de visita das propriedades

As visitas às 12 propriedades classificadas na 6ª edição do Concurso de Qualidade ...

Festival Aracruz Sabores começa nesta quinta-feira (11)

Foto: Arquivo Secom / Aracruz O evento vai reunir sabores, cerveja artesanal, vinhos, ...

Método simples e barato monitora qualidade da água em viveiros de tilápias

Photo: Gabriel Pupo Nogueira Cientistas utilizam bentônicos, organismos invertebrados indicadores de qualidade da ...

Produção de cacau volta a crescer no Brasil, após controle de vassoura-de-bruxa e outras doenças

Foto: Shutterstock Composition with cocoa pod and products on wooden background, top view ...

Setor de distribuição de insumos está apreensivo com os desafios deste ano

Foto: iStock “O setor de distribuição de insumos agrícolas, que comemorou um 2021 ...