Gafanhoto vira ração na Argentina

Pó obtido dessa espécie contém 70% de proteína, valores comparáveis aos da carne bovina e do leite

A grave – e recorrente – infestação de gafanhotos na Argentina está prestes a se transformar em uma alternativa para alimentação. Uma equipe de cientistas argentinos analisou as características nutricionais da espécie Bufonacris claraziana, e concluiu que o pó resultante do inseto é uma rica fonte de proteína tanto para animais quanto para humanos.

“A busca por uma alternativa proteica mais sustentável que tenha qualidade e valor nutricional semelhantes às fontes de proteína atuais é uma tarefa desafiadora. Os insetos são particularmente ricos em proteínas, por isso, podem fornecer uma alta ingestão calórica como alimento”, explicou Valeria Fernández-Arhex, doutora em Ciências Biológicas e pesquisadora do IFAB (Instituto de Pesquisa Florestal e Agrícola de Bariloche), unidade ligada ao INTA (Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria).

Continua após o anúncio

De acordo com ela, “o objetivo do estudo foi avaliar a qualidade nutricional da Bufonacris claraziana, um gafanhoto da ordem dos Orthoptera que não possui asas, conhecida como ‘Tucura sapo’ e que é considerada uma praga na região da Patagônia Argentina”. O trabalho preliminar revelou que o pó obtido dessa espécie contém 70% de proteína, valores comparáveis aos da carne bovina e do leite.

Para o estudo dos valores nutricionais, os espécimes adultos foram colocados em freezer até a morte, e em seguida lavados com água potável da torneira e colocados em estufa a 60°C por 24 horas. Quando completamente secas, foram moídas em peneira para obtenção de um pó fino, no qual foram feitas as análises de composição química: proteína total, gordura total, umidade e cinzas. O teor de carboidratos foi 11,30%, superior ao de outros ortópteros (ordem dos insetos com aparelho de mastigação bucal), como o gafanhoto migratório (Locusta migratoria).

“Destaca-se também o baixo teor de umidade, valor que indica baixa suscetibilidade à contaminação microbiana, o que sugere que o pó pode ser armazenado por um longo período de tempo sem risco de deterioração microbiana. Excelente indicador na produção de alimentos”, destacou Fernández-Arhex, coordenador de uma equipe de pesquisa que reúne especialistas do INTA.

Fonte: Agrolink com curadoria Boi a Pasto

Últimas notícias

Cadeia produtiva do café é homenageada na Assembleia Legislativa do ES

O jornalista, apresentador e diretor da Revista Negócio Rural, Bruno Faustino, foi um ...

Sementes de Palmeira Juçara serão lançadas por pilotos durante Voo Livre em Alfredo Chaves

Mais de 300 mil sementes de Palmeira Juçara foram doadas pelo Instituto Capixaba ...

Mapa registra mais 20 defensivos de controle biológico, incluindo produtos para uso na agricultura orgânica

Em 2022 já foram registrados 36 produtos de baixa toxicidade para o controle ...

Evento em Vitória destaca a importância da agricultura familiar capixaba

A agricultura familiar é uma das responsáveis por contribuir com os alimentos que ...

Avião caracterizado de abelha decola em homenagem aos maiores polinizadores do planeta

Piloto de aviões agrícolas há mais de 40 anos, José Paulo Garcia fez ...