Gafanhoto vira ração na Argentina

Pó obtido dessa espécie contém 70% de proteína, valores comparáveis aos da carne bovina e do leite

A grave – e recorrente – infestação de gafanhotos na Argentina está prestes a se transformar em uma alternativa para alimentação. Uma equipe de cientistas argentinos analisou as características nutricionais da espécie Bufonacris claraziana, e concluiu que o pó resultante do inseto é uma rica fonte de proteína tanto para animais quanto para humanos.

“A busca por uma alternativa proteica mais sustentável que tenha qualidade e valor nutricional semelhantes às fontes de proteína atuais é uma tarefa desafiadora. Os insetos são particularmente ricos em proteínas, por isso, podem fornecer uma alta ingestão calórica como alimento”, explicou Valeria Fernández-Arhex, doutora em Ciências Biológicas e pesquisadora do IFAB (Instituto de Pesquisa Florestal e Agrícola de Bariloche), unidade ligada ao INTA (Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria).

De acordo com ela, “o objetivo do estudo foi avaliar a qualidade nutricional da Bufonacris claraziana, um gafanhoto da ordem dos Orthoptera que não possui asas, conhecida como ‘Tucura sapo’ e que é considerada uma praga na região da Patagônia Argentina”. O trabalho preliminar revelou que o pó obtido dessa espécie contém 70% de proteína, valores comparáveis aos da carne bovina e do leite.

Para o estudo dos valores nutricionais, os espécimes adultos foram colocados em freezer até a morte, e em seguida lavados com água potável da torneira e colocados em estufa a 60°C por 24 horas. Quando completamente secas, foram moídas em peneira para obtenção de um pó fino, no qual foram feitas as análises de composição química: proteína total, gordura total, umidade e cinzas. O teor de carboidratos foi 11,30%, superior ao de outros ortópteros (ordem dos insetos com aparelho de mastigação bucal), como o gafanhoto migratório (Locusta migratoria).

“Destaca-se também o baixo teor de umidade, valor que indica baixa suscetibilidade à contaminação microbiana, o que sugere que o pó pode ser armazenado por um longo período de tempo sem risco de deterioração microbiana. Excelente indicador na produção de alimentos”, destacou Fernández-Arhex, coordenador de uma equipe de pesquisa que reúne especialistas do INTA.

Fonte: Agrolink com curadoria Boi a Pasto

Últimas notícias

Tradição familiar no agronegócio em evidência na Praça do Papa

A tradição familiar marca o agronegócio capixaba, que, segundo dados do Governo do ...

Ação de fiscalização do Mapa apreende 173 mil litros de bebidas com indícios de fraude

Uma ação de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) resultou ...

Mapa reforça vigilância após ocorrências de Peste Suína Africana na República Dominicana

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informa que está acompanhando e ...

Cooperação alemã investe U$ 2 milhões em projeto de apoio ao Comércio Justo na América Latina e Caribe

Mais de 84 mil produtores(as) da região da América Latina e do Caribe ...

Agricultura familiar recebe investimentos no Espírito Santo

Para comemorar a Semana da Agricultura Familiar, o Governo do Estado anunciou um ...