Hortaliças estão mais caras neste fim de ano em todo o Brasil

Os acompanhamentos da ceia de Natal estão mais caros neste final de ano. As hortaliças, como batata e cebola, tiveram alta de preços no último mês, segundo o 12º Boletim Prohort, divulgado nesta hoje (16), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

No caso da batata, os aumentos chegaram a 23,94%, em Fortaleza/CE, e 62,25%, em Brasília/DF. O comportamento deve-se especialmente à baixa disponibilidade de batata no mercado. Os preços só estiveram mais baixos no mês de setembro, pela grande oferta do produto neste período. Isso porque a redução de áreas a serem colhidas, devido ao clima quente naquele mês, encurtou o ciclo de produção e o tubérculo acabou encarecendo.

Nos meses seguintes, a oferta começou a cair. Na comparação de outubro com setembro, a oferta de batata nas Ceasas analisadas foi cerca de 10% menor. Esta queda foi ainda maior (20%) na comparação entre novembro e setembro. O movimento foi mais intenso nos estados de São Paulo e de Goiás. Neste último, a safra está praticamente encerrada.

Em São Paulo, o volume de batatas enviado ao mercado em outubro e novembro caiu em torno de 45% e 55%, respectivamente. A redução da safra de inverno não foi compensada pelo início da safra das águas, mesmo com o aumento expressivo da oferta do Paraná, um dos principais estados fornecedores neste período e que intensificará a oferta a partir de janeiro.

TOMATE – A análise realizada mensalmente pela Conab considera as hortaliças mais comercializadas nas principais Centrais de Abastecimento (Ceasas) do país e que registram maior destaque no cálculo do índice de inflação oficial (IPCA). Integram a avaliação: alface, batata, cebola, cenoura e tomate.

Entre as hortaliças, o tomate foi a exceção, com redução de preços nos mercados que abastecem São Paulo/SP, Vitória/ES, Curitiba/PR e Recife/PE. A maior queda no preço do tomate foi em Recife (20,81%), especialmente devido ao aumento da oferta do produto originário do próprio Estado na Ceasa de Pernambuco, cerca de 15%.

FRUTAS – Os preços das frutas banana, laranja, maçã, mamão e melancia tiveram uma variação moderada em novembro, quando comparados aos do mês anterior. A melancia, por exemplo, registrou queda tanto na quantidade comercializada como nos preços, mesmo com o fim da safra na região de Uruana/Ceres (GO).

Esse cenário deve-se à menor demanda na maior parte do mês, devido ao tempo ameno e às chuvas, além da menor qualidade de alguns carregamentos. As exportações se mantiveram como um bom canal para o produtor brasileiro. As minimelancias cultivadas no Rio Grande do Norte encontraram mercado na Europa e as melancias de Goiás abasteceram países do Mercosul.

A Conab acompanha os preços praticados nas Ceasas de São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vitória, Curitiba, Goiânia, Brasília, Recife e Fortaleza. Confira aqui a íntegra do Boletim Hortigranjeiro de Dezembro de 2020.

Fonte: Conab

Últimas notícias

Nova instrução normativa de bem-estar animal nas granjas brasileiras é tema de evento on-line

A nova instrução normativa (IN 113/2020) que visa as adequações de manejo e ...

Líbia prepara primeira exposição focada em cafés

Evento reunirá produtores, vendedores, representantes de marcas nacionais e regionais, além dos amantes ...

Jerônimo Monteiro realiza primeira Mostra de Café Especial

O município de Jerônimo Monteiro vai realizar a 1ª Mostra de Café Especial. ...

Tradição familiar no agronegócio em evidência na Praça do Papa

A tradição familiar marca o agronegócio capixaba, que, segundo dados do Governo do ...

Ação de fiscalização do Mapa apreende 173 mil litros de bebidas com indícios de fraude

Uma ação de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) resultou ...