Jovem cafeicultora é finalista de prêmio internacional

Bruna Carolina da Silva é o nome por trás do “Café Especial da Bruna”, e sua iniciativa de inovação e empreendedorismo da jovem é finalista do Premio a la Innovacíon Juvenil Rural de América Latina y el Caribe na categoria geração de renda. A jovem é filha dos agricultores Sônia e Célio Silva e, com a ajuda deles e da irmã, Maria Betânia Silva, tem investido na produção e comercialização de café de qualidade.

A produção acontece na Comunidade do Baú, em Fervedouro, região das Matas de Minas, onde é feita de maneira artesanal com mão de obra familiar. Ela se orgulha de estar direcionando a produção da família para uma maneira cada vez mais sustentável no seu sistema de produção em termos ambientais, econômicos e sociais, além de muita qualidade.

A produção começou em 2019, após a construção de um terreiro  suspenso. “Todo esse café foi catado por mim com ajuda da minha mãe e minha irmã. Selecionei só os cafés tipo exportação, peneira 16 acima, deixando apenas grãos uniformes e sem defeitos. Depois ele foi torrado, moído e embalado em sacolas com uma válvula para manter a qualidade e sabor do café vendido ao consumidor final. Tudo artesanal do grão à xícara”, detalha.

Todo esse zelo rendeu ao “Café Especial da Bruna” o segundo lugar no Concurso de Qualidade do Café realizado pela Prefeitura de Fervedouro e pela EMATER em 2019, com 82,25 pontos pela escala BSCA de classificação. Para a jovem, “o processo é trabalhoso, mas compensa ver o café de qualidade chegando até as pessoas e a realidade da roça mudando aos poucos”.

VIDEOAULAS – Bruna conta que os desafios de mudar o modo de produção na propriedade foram muitos e a capacitação oferecida pelo Sistema FAEMG/SENAR/INAES com o curso de Sustentabilidade na Produção do Café, realizado pela plataforma de Educação a Distância, “foi essencial para dar o pontapé inicial”. 

Ela também destaca que as vídeoaulas do Somos + Café “têm ajudado muito a garantir a qualidade do trabalho e eu pretendo continuar sempre melhorando, fazendo os cursos do SENAR de Classificação e Degustação e Torra”.

Para a jovem, o foco na qualidade do café é uma oportunidade de valorização do trabalho, aumento dos lucros e um incentivo para a permanência no campo. “Quero continuar aqui na roça, fazer mais com o que temos buscando aperfeiçoamento. O café é a maior renda da minha família e o café de qualidade amplia nosso potencial e me anima a seguir a tradição familiar”.

O reconhecimento do seu produto foi o estímulo para se inscrever e concorrer ao prêmio internacional. “Eu acredito no café, no seu potencial de mudança de vida dos trabalhadores. Espero que outros jovens acreditem, sejam transparentes e honestos em seus trabalhos e alcancem os seus objetivos”.

PRÊMIO – O Premio a la Innovacíon Juvenil Rural de América Latina y el Caribe é uma iniciativa do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), que tem como objetivo identificar, recompensar e disseminar iniciativas inovadoras e sustentáveis realizadas por jovens com idade entre 18 e 35 anos, de países da América Latina e do Caribe.

A divulgação dos vencedores acontecerá este mês, em um evento on-line. No total, serão premiadas 10 iniciativas e os jovens ganhadores terão a oportunidade de participar presencialmente de um programa de imersão, receberão treinamento e mentorias on-line e participarão de viagens de intercâmbio e ampliação para acelerar suas iniciativas.

Fonte: CNA / Senar-MG

Últimas notícias

Palestra aborda tendências inovadoras para o turismo das montanhas capixabas

A pandemia trouxe diversas mudanças no comportamento do consumidor e todos os setores ...

Laboratório de leite do Idaf recebe credenciamento oficial

Após anos de trabalho e dedicação, o Laboratório de Análise da Qualidade do ...

Apenas três municípios do Espírito Santo estão em risco amarelo no Mapa Covid-19

O Governo do Estado anunciou, ontem (18), o 23º Mapa de Risco Covid-19, ...

Demanda de frete rodoviário no agronegócio tem incremento de mais de 10%

Segundo o Índice de Fretes e Pedágios Repom (IFPR), a demanda por frete ...

Preço do arroz deve permanecer entre R$ 5 e R$ 7 até março do ano que vem

Um dos alimentos mais consumidos na mesa dos brasileiros sofreu um aumento de ...