Morre aos 92 anos o fundador do Grupo Matsuda

Em uma nota de pesar, a assessoria de imprensa do Grupo Matsuda comunicou o falecimento de Skio Sammi, 92 anos, sócio-fundador do Grupo Matsuda. Ele faleceu no último dia 26 de dezembro.

Skio Sammi foi casado com Kimiko Suzuki Sammi, “Dona Tereza”, com quem teve quatro filhos: Arilton, Mirian, Lucia e Lucy Sammi, e seis netos: Victor, Maria Thereza, lsabella, Matheus, Bruna e Isadora.

Em 1948, junto com o cunhado Schichiro Matsuda e sua esposa, Fumiko Matsuda, “Dona Diva”, acompanhado de sua esposa “Dona Tereza”, migraram do campo, onde trabalhavam nas fazendas de café da região da Alta Sorocabana, para a cidade de Álvares Machado, interior de São Paulo, onde abriram um bar. Dali, sempre unidos, no trabalho e na amizade, deram o primeiro passo, para a construção de um dos maiores grupos de empresas ligadas ao setor do agronegócio.

Antes de entrarem no segmento da agropecuária, passaram pela compra e venda de cereais. Skio Sammi costumava viajar por todo o interior do Estado de São Paulo e norte do Paraná, comprando direto dos produtores, pequenas cargas de cereais, que trazia para depósitos alugados ao longo da estação ferroviária de Álvares Machado, onde eles criaram uma espécie de entreposto, a Cerealista Matsuda. Dali, as mercadorias eram separadas em lotes e levadas para São Paulo.

Mas, homens com visão de negócios, logo perceberam que o amendoim era um produto mais rentável, economicamente, e passaram a comprá-lo e revendê-lo para grandes empresas produtoras de doces, sorvetes e pastas, como Kibon e Elma Chips, entre outras. O negócio prosperou tanto que no início da década de 70compraram a primeira fazenda do que viria a ser o Grupo Matsuda, tal como é conhecido hoje, e então, descobriram o verdadeiro ouro do campo, que é o capim forrageiro.

Nessa época, o filho mais velho de Schichiro, Jorge Matsuda, que era estudante de economia em São Paulo, assumiu o lugar do pai no comando da empresa, junto com o primo Arilton Sammi, filho de Skio Sammi, dando essa guinada para a comercialização de sementes forrageiras, e logo em seguida passando a desenvolvê-las, com sua própria equipe de pesquisadores.

“A apenas três dias de aniversário da morte de Jorge Matsuda, que ocorreu em 1º de janeiro de 2020, o Grupo Matsuda, ainda enlutado, pela morte de seu diretor-presidente, sofre mais essa dolorosa perda, pois Skio Sammi, apesar dos seus avançados 92 anos, era muito ativo, amava o campo, e não deixava de visitar a sede da empresa, pelo menos uma vez por semana. Era comum encontrá-lo sempre animado e simpático com os funcionários, conversando com clientes e amigos, que por ali passavam. Ou então, viajava para uma de suas fazendas, para ‘olhar o gado’ e junto com a filha Mirian, separar o que já estava no ponto de venda para abate. Como seus antepassados, Skio Sammi foi um visionário e empreendedor, que vai deixar muitas saudades”.

Fonte: Taxi Blue Comunicação Estratégica

Últimas notícias

Definidas condições para liberação de linha de crédito para cafeicultores atingidos por geadas

O Voto será submetido ao Conselho Monetário Nacional, para em seguida disponibilizar essa ...

Congresso das Mulheres do Agronegócio terá debate sobre “Bioeconomia” e a relação entre o progresso econômico e o meio-ambiente

Mesa-redonda reunirá representantes de diferentes elos da cadeia produtiva para discutir os melhores ...

Exportações do agronegócio batem recorde para setembro, com US$ 10,1 bilhões

O complexo soja e as carnes foram destaques nas exportações do mês, registrando ...

Lançadas as primeiras variedades de batata coloridas do Brasil

Chegam ao mercado nacional as primeiras variedades de batata coloridas desenvolvidas no Brasil ...

Cooperativa lança plataforma com o maior acervo digital do agro

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) coloca no ar hoje (15), a maior ...