Morre cadela resgatada em sofrimento e CPI vai pedir pena máxima à tutora

A cadelinha não resistiu aos maus-tratos e morreu quatro dias depois de ser resgatada

A CPI dos Maus-Tratos Contra os Animais da Assembleia Legislativa do Espírito Santo, presidida pela deputada estadual Janete de Sá, realizou uma audiência para apurar dois casos de maus-tratos ocorridos nos municípios de Viana e Serra. A audiência ocorreu na tarde desta quarta-feira (1º).

Foram convocados a prestar depoimento um motorista de aplicativo de 36 anos, tutor da cadela Camila Pitanga e uma auxiliar de cozinha de 44 anos, tutora da cadela Sofia.

Câmeras flagraram o motorista de aplicativo abandonando a cadela no bairro Pitanga. O animal ficou sem água e sem comida até ser resgatado no dia seguinte. Ao ser interrogado pela deputada Janete, o tutor confirmou que abandonou o animal e alegou que a cadela estava com ele há 15 dias e não teria se adaptado à família, inclusive rosnando para o filho, um menino de seis anos.

A cadela Camila foi levada ao plenário e em nenhum momento estranhou as pessoas no recinto, contrariando a fala do depoente. A pedido da presidente da CPI, a gerente de bem-estar animal da prefeitura da Serra, Milagros Campos, vai encaminhar o material da ocorrência para a delegacia de meio ambiente apurar o abandono da cadela, que configura crime de maus-tratos.

O outro caso em pauta na CPI foi o abandono da cadela Sofia, ocorrido no último dia 9, no município de Viana. A CPI, motivada por denúncias, esteve na residência da auxiliar de cozinha e encontrou a cadela em situação de sofrimento, infestada de carrapatos e pulgas, com a mandíbula quebrada, desnutrida, desidratada e com infecção na boca.

A cadela foi retirada da situação de maus-tratos e levada para atendimento veterinário. Apesar de todo esforço da CPI e dos veterinários a cadela Sofia não resistiu e morreu quatro dias após o resgate. A tutora foi levada para a delegacia e autuada em flagrante. Ela foi solta na audiência de custódia.

Em depoimento à CPI, ela alegou que ama animais e que tinha a Sofia há cinco anos. Fabrícia disse que o animal ficou doente na pandemia e como ela estava desempregada, teve que ela mesma cuidar do animal, uma vez que não tinha dinheiro para levá-lo ao veterinário.

As declarações da tutora não convenceram a presidente da CPI, a deputada Janete de Sá, que afirmou que vai pedir celeridade e pena máxima para ela no Ministério Público Estadual. Maus-tratos de cães e gatos é crime previsto em Lei, com pena que varia de 2 a 5 anos de prisão, além de multa e proibição de guarda de novos animais.

Fonte: Assessoria deputada Janete de Sá

Últimas notícias

Valor da contribuição mensal do MEI vai aumentar em fevereiro

Os microempreendedores individuais devem ficar atentos ao reajuste na contribuição mensal, que passa ...

Impacto ambiental urbano pode ser maior que do agro

O Brasil teve um ano de destaque no direito ambiental e terá que ...

Produção de café deve atingir 55,7 milhões de sacas na safra de 2022

Os produtores de café deverão colher a terceira maior safra do grão neste ...

Produtores celebram colheita e resultados da primeira safra de Uvas em Guarapari

Sandra Butke, em suas parreiras no início da produção. Para diversos produtores rurais ...

Ceasa-ES orienta produtores sobre armazenamento adequado de alimentos

A ação, que teve início na última quinta-feira (13) e tem previsão de ...