Nanopartículas de própolis desenvolvida pela Embrapa para combater infecções tem patente aprovada

O Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI) aprovou a patente de Composições baseadas em nanopartículas de própolis, processos de obtenção e uso, desenvolvida pela Embrapa Gado de Leite. “A aprovação se deu após oito anos de trabalhos e várias defesas”, comemora Humberto de Mello Brandão, pesquisador da Embrapa e um dos inventores da tecnologia. A própolis apresenta características farmacológicas, tais como bactericida, e ação contra vários microrganismos, como o Staphylococcus aureus, e pode ser usado no tratamento da mastite bovina.

A própolis é um antimicrobiano natural produzido pelas abelhas e pode ser utilizado em sistemas de produção orgânicos de leite. Brandão define as nanopartículas de própolis como “química verde”. Vislumbramos a sua adoção principalmente nas fazendas orgânicas, mas o produto pode ser utilizado em qualquer sistema de produção”, diz o pesquisador.

Ele vai além: “Há possibilidade de uso da tecnologia inclusive para outras espécies e isso vai depender das empresas que se disponibilizarem a desenvolver os produtos”. A própolis possui um efeito sinérgico com o antibiótico, tornando-o mais potente. “Nós colocamos a Azitromicina dentro da nanopartícula de própolis, um fármaco bacteriostático (que cessa o crescimento das bactérias), com isso o fármaco passou a ser bactericida em concentrações mais baixas”, explica.

A produção de nanopartículas se apresenta como uma tecnologia vantajosa para encapsulação e visa a liberação controlada ou direcionada da própolis e de outros compostos, potencializando sua ação biológica.

Para Brandão, a grande vantagem das nanopartículas de própolis é que elas podem ser veiculadas em água em vez de álcool. “O álcool, como veículo, tem sérias limitações e sua administração na glândula mamária causa irritações. A Embrapa, em conjunto com parceiros, já testou o produto em vacas e o produto mostrou boa biocompatibilidade, não provocando efeitos adversos”.

Há a possibilidade da produção de vários produtos com as nanopartículas de própolis. Brandão acredita que a tecnologia despertará o interesse principalmente das empresas que beneficiam a própolis. Os estudos tiveram apoio da Rede Agronano e suporte da área de transferência de tecnologia da Embrapa Gado de Leite.

Fonte: Embrapa

Últimas notícias

Senar lança cursos gratuitos de drones e inseminação artificial. Inscreva-se!

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) lançou três cursos de curta duração, ...

Especialistas do Brasil e exterior debatem mercado halal

O fórum de negócios Global Halal Brazil ocorre na próxima semana e terá ...

Estados Unidos mudam regras para ingresso de cães procedentes do Brasil

Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, ...

Entidades afirmam que caso das búfalas de Brotas foge à regra dos produtores

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) publicou ...

Cadeia produtiva do leite é destaque em novo Boletim da Agricultura Familiar da Conab

Já está disponível, no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação ...