Novo mercado capixaba de gás natural pode movimentar R$ 40 bilhões em projetos

Desde julho, o Espírito Santo conta com uma nova concessionária para distribuição de gás natural canalizado. O acordo assinado entre o governo capixaba e a Companhia de Gás do Espírito Santo (ES Gás) vai permitir que a entidade assuma os serviços até então prestados pela BR Distribuidora desde 1995. 

Em solenidade virtual, o governador Renato Casagrande informou que esse contrato coloca o Espírito Santo como o primeiro a assinar no Novo Mercado de Gás, o que deve desenvolver ainda mais o setor.

O deputado federal Da Vitória (Cidadania-ES) também elogiou a medida. Para ele, quando o projeto de lei 6407/2013, que vai instituir a Nova Lei do Gás, for aprovado no Congresso Nacional, o governo local passará a ser o acionista minoritário para desburocratizar os investimentos e gestão. 

“O novo marco vai permitir ao país ter uma energia mais barata, reduzindo o preço em até 40%. A retomada da economia no período pós-pandemia vai exigir muita competitividade”, avalia o parlamentar. Segundo ele, a Federação das Indústrias do estado (Findes) e a Secretaria de Desenvolvimento local estimam que sejam destravados cerca de R$ 38 bilhões em projetos nos próximos anos.

O Espírito Santo está entre os cinco maiores distribuidores de gás natural do Brasil. Com uma marca de 5,3 milhões de metros cúbicos por dia, o Estado espera avançar ainda mais após a aprovação da Nova Lei do Gás, em discussão na Câmara dos Deputados. O texto promete baratear o preço do gás natural por meio da abertura de mercado e da ampliação de gasodutos pelo país. 

Se aprovada, a lei poderá reduzir a burocracia para construção de gasodutos, tubulações utilizadas para transportar gás natural. O relator da proposta, deputado Laércio Oliveira (PP-SE), garantiu, no dia 12 de agosto, que o projeto pode ser votado ainda este mês. Segundo o relator, há “um ambiente propício” para a aprovação do parecer na Câmara. 

MENOS BUROCRACIA – A norma propõe também que as companhias precisem apenas de autorização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que regula o setor no país, em vez de passar por licitação pública para construir essas estruturas. A exceção a essa regra são os gasodutos que são operados em regime especial por força de acordos internacionais de fornecimento de gás natural.

Segundo o diretor de eletricidade e gás da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) e coordenador-adjunto do Fórum do Gás, Bernardo Sicsú, a expansão da malha de gasodutos pode reduzir os custos de transporte e baratear o preço final do gás natural. “Essa simplificação e desburocratização são fundamentais para acelerar o processo de transformação no setor. Os benefícios vão refletir de forma mais rápida na economia”, acredita.

Sicsú destaca também que a abertura de mercado pode beneficiar quem está na ponta, ou seja, o consumidor final de gás natural. “Sem dúvida nenhuma, a abertura para novos concorrentes é o que vai melhorar o preço para o consumidor final de gás natural. Apenas com maior número de ofertantes e o aumento dessa oferta associado é o que permite que o consumidor encontre melhores condições”.

Fonte: Brasil 61

Últimas notícias

Senar lança cursos gratuitos de drones e inseminação artificial. Inscreva-se!

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) lançou três cursos de curta duração, ...

Especialistas do Brasil e exterior debatem mercado halal

O fórum de negócios Global Halal Brazil ocorre na próxima semana e terá ...

Estados Unidos mudam regras para ingresso de cães procedentes do Brasil

Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, ...

Entidades afirmam que caso das búfalas de Brotas foge à regra dos produtores

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) publicou ...

Cadeia produtiva do leite é destaque em novo Boletim da Agricultura Familiar da Conab

Já está disponível, no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação ...