O melhor cacau do Brasil é fruto de muita informação e dedicação de produtores

A Fazenda Guarani, de Linhares, venceu nesta semana o II Concurso Nacional de Qualidade do Cacau (Brazilian Cocoa Awards) na categoria “Cacau Varietal Especial”. Os produtores Eduardo Zucolotto da Silva e Ana Claudia Milanez Rigoni fazem parte do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Espírito Santo (Senar-ES) e contam que a dedicação e a busca de informação são as chaves para conquistarem bons resultados na cacauicultura.

“Estamos sempre buscando informação para a nossa propriedade e para aprimorar a produção do cacau de qualidade. A ATeG tem me dado uma visão que antes eu não tinha, principalmente na questão dos gastos, o que está ajudando a reduzi-los. Com a Assistência, temos um espelho fantástico do ganho e das despesas, para buscar sempre melhorar”, disse Eduardo.

A sustentabilidade é uma questão importante para a Fazenda Guarani, o que fez com que alcançassem alta pontuação na metodologia ISA (Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas), aplicada pela ATeG.

“Nosso diferencial é a dedicação ao trabalho, não só na questão de ter um bom resultado, mas também na questão ambiental. Procuramos manter o ecossistema funcionando bem, com equilíbrio das plantas, sempre adubadas, com a desbrota correta, para fazer com que cresçam saudáveis e deem bons frutos”, revelou Eduardo.

Para produzir cacau de qualidade, Eduardo conta que é preciso esforço, conhecimento e acompanhamento constante de todo o processo produtivo.

“É necessário trabalhar com muito carinho todo processo, desde a colheita da fruta, fazer a separação correta do cacau bom para a fermentação, acompanhar passo a passo, verificar a temperatura e o tempo na hora da fermentação. Na secagem, também é necessário um acompanhamento de perto e a armazenagem deve ser feita em local seco, seguro e sem interferência externa nas amêndoas”.

A Fazenda Guarani é atendida pela ATeG do Senar Espírito Santo desde 2019 e os resultados são crescentes. Segundo o técnico de campo Agostinho de Vasconcellos Netto, que assiste os produtores, o diferencial da propriedade é o cuidado na condução da lavoura e no beneficiamento do cacau.

“A diferença é que procuram fazer a colheita no ponto certo, fazem uma boa condução de temperatura na hora da fermentação e a secagem é realizada em uma estufa solar, o que oferece à amêndoa a quantidade adequada de luz e calor”, disse Agostinho.

Os produtores comercializam a amêndoa do cacau e o nibs (sementes de cacau fermentadas, secas, torradas e trituradas) até para o Rio de Janeiro e São Paulo. Os planos futuros de Eduardo e Ana Claudia incluem levar informação para mais produtores da região para que a produção de qualidade aumente.

“O que pretendemos é mostrar para outros produtores as vantagens de ser acompanhado por especialistas, de buscar informações e orientações de pessoas que têm conhecimento do ramo, de estar de olho nas plantas para que sejam saudáveis. Queremos mostrar para outros produtores que podem chegar a conquistar prêmios e agregar valor ao seu produto”, revelou Eduardo.

Fonte: Comunicação Senar-ES

Últimas notícias

Prêmio Excelência de Qualidade Realcafé Reserva anuncia os finalistas

O Prêmio Excelência de Qualidade Realcafé Reserva já tem os 20 finalistas da ...

Agrishow anuncia alteração da data de realização na edição 2021

A Agrishow anunciou a alteração da data de sua 27ª edição para os ...

Sócio da Cooabriel conquista primeiro lugar no concurso Coffee Of The Year 2020

No dia 20 de novembro, foi divulgado pela Semana Internacional do Café, os ...

ExpoSul RaízES começa nesta quarta (02)

O Parque de Exposições de Cachoeiro reabre os portões para receber uma edição ...

Seca no Brasil tende a pressionar preços de café arábica

Tradings de café começam a ter ideia da extensão dos problemas climáticos no ...