PIX também impactará o agronegócio

O PIX, novo sistema de pagamentos que deve revolucionar os meios eletrônicos, começa a funcionar no Brasil no próximo dia 16 de novembro. A novidade, desenvolvida pelo Banco Central, incentivará a competição entre os bancos, contribuindo para a digitalização dos pagamentos e o fim do papel- moeda. E também promete impactar positivamente o setor do agronegócio.

O QUE É O PIX?

O PIX é um sistema de pagamentos instantâneo, que vai funcionar 24h por dia, 7 dias da semana, 365 dias por ano, sem tarifas  pelo menos não para a pessoa física.

Segundo a professora de Economia e coordenadora do Núcleo de Estudos da Conjuntura Econômica da FECAP, Nadja Heiderich, o PIX promete trazer maior agilidade às transações financeiras e aos pagamentos.

“O PIX vai reduzir o custo ao pagador e ao recebedor, fazendo com que a gente não precise mais andar com troco, uma vez que o pagamento pode ser realizado no mesmo momento da transação. E o recebimento acontece em torno de 10 segundos, ou até menos, na transferência de uma conta para outra”.

BENEFÍCIO PARA O AGRO

Segundo a especialista, no caso do agronegócio, o PIX também vai servir para agilizar os pagamentos em diversas situações. “Na feira, o feirante vai poder realizar o pagamento instantaneamente ao seu fornecedor, trazendo mais segurança de fluxo de caixa para os pequenos produtores. Não só o feirante para produtor, mas consumidor para o feirante. Trará mais agilidade e praticidade em termos desses pagamentos”.

O PIX também pode beneficiar pequenos produtores que dependem de uma renda imediata e não estão tão acostumados com as transações digitais. “Nas áreas rurais, a quantidade de agências bancárias é menor e de acesso mais difícil. De maneira digital, os produtores poderão realizar pagamentos e ter recebimentos de forma mais rápida, fazendo um fluxo de caixa mais controlado, dado que ele depende dessa renda mais imediata”, exemplifica.

Além disso, quando houver necessidade, o produtor poderá realizar transações para obter insumos de maneira mais rápida.

Contudo, a princípio, por conta das limitações de conectividade para usar a ferramenta no campo, algumas dificuldades poderão ser encontradas.

“A conexão de fato ainda é um problema nas áreas rurais do Brasil, mas a pandemia acelerou o processo de digitalização. Vários produtores têm investido em soluções de tecnologia. Existe também um movimento das operadoras de telefonia para investir em maior tecnologia para acesso a áreas rurais, diante dessa nova realidade e demandas surgidas por conta do distanciamento.

Mas o PIX também tem soluções off-line, e o produtor pode gerar um QR code e enviar para o consumidor, para esse realizar o pagamento on-line. O Banco Central ainda estuda o pagamento ser realizado off-line, mas o recebimento ocorrer on-line”.

Nadja finaliza dizendo que o sistema PIX virá, de fato, para revolucionar o sistema de pagamento no Brasil. “Você não precisa mais esperar para realizar um TED ou um DOC. Como ele é instantâneo, você não precisa mais da necessidade de dinheiro físico. Na corrida para atender o consumidor, as instituições financeiras vão tentar trazer mais benefícios para o consumidor final, o que vai gerar uma melhora da qualidade dos serviços financeiros prestados, maior poder de escolha do consumidor e menor custo”, conclui.

fonte: Fecap

Últimas notícias

Senar lança cursos gratuitos de drones e inseminação artificial. Inscreva-se!

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) lançou três cursos de curta duração, ...

Especialistas do Brasil e exterior debatem mercado halal

O fórum de negócios Global Halal Brazil ocorre na próxima semana e terá ...

Estados Unidos mudam regras para ingresso de cães procedentes do Brasil

Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, ...

Entidades afirmam que caso das búfalas de Brotas foge à regra dos produtores

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) publicou ...

Cadeia produtiva do leite é destaque em novo Boletim da Agricultura Familiar da Conab

Já está disponível, no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação ...