Pragas cada vez mais resistentes desafiam a produtividade agrícola

A receita da agricultura brasileira cresceu 11,6% em 2020, atingindo Valor Básico da Produção recorde: R$ 480 bilhões, superando em R$ 50 bilhões o resultado do ano anterior, que já tinha sido um dos melhores da história. Soja (+19,8%), milho (+13,7%), café (+39,3%), arroz (+12%) e laranja (+9,8%) são os destaques agrícolas do ano, segundo o mais recente levantamento do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Esse excelente desempenho está respaldado pelo aumento da produtividade no campo e se completa com o aumento das exportações agrícolas. Um exemplo: de acordo com o MAPA, entre janeiro e junho foram embarcadas 69,6 milhões de toneladas de soja (aumento de 32,5% sobre igual período do ano anterior). Em receita, o ganho foi de 28,7%, atingindo US$ 23,93 bilhões com produto.

“O momento da agricultura é muito positivo, porém sempre depende de uma série de fatores. Começa pela preparação da terra, envolve a escolha de sementes selecionadas, tem o fator climático, que pode ou não ser favorável e o próprio mercado interfere na disposição do produtor em investir mais ou menos em determinado cultivo. Decisão de plantio tomada, há inimigos terríveis a combater. Os desafios das pragas, doenças e ervas daninhas são cada vez maiores, exigindo a ação de soluções mais complexas e inovadoras para proteção das plantas”, ressalta Julio Borges Garcia, presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg).

Segundo ele, os defensivos agrícolas têm, assim, um papel extremamente importante para a agricultura: evitar a ação dos agentes nocivos, mais resistentes aos agroquímicos, mais agressivos e seletivos. “Importante enfatizar a relevância do ambiente tropical, extremamente desafiador devido ao clima úmido e quente e à produção o ano inteiro. O cenário é perfeito para as pragas. Sem os defensivos, a produtividade seria, em média, 40% menor, ceifando 100 milhões de toneladas de alimentos todos os anos”, afirmou.

O uso de defensivos agrícolas é, assim, um investimento necessário para os agricultores, sendo utilizados exclusivamente porque representam uma potente ferramenta contra pragas, doenças e ervas daninhas, que são implacáveis.

AUMENTO DE PRAGAS – No primeiro semestre de 2020, segundo especialistas, as pragas estiveram mais agressivas do que nunca. A soja exigiu diferentes mecanismos de defesa para combater uma doença muito agressiva de difícil controle: a ferrugem asiática – o principal desafio fitossanitário da cultura. Percevejos e ácaros foram os insetos que mais necessitaram de tratamentos e, no caso de ervas daninhas, capim amargoso e buva exigiram modos de ação diferenciados para combatê-los.

Em relação ao milho safrinha, foi preciso aumentar o uso de inseticidas para combater cigarrinhas e percevejos, e manchas foliares e ferrugem demandaram mais aplicações de fungicidas. Quanto ao algodão, a doença mais agressiva continua sendo a ramulária, levando os agricultores a usar mais fungicidas. O manejo de resistência também foi intensificado na primeira metade do ano.

“Soja, milho, algodão e cana, juntos, representam cerca de 80% do mercado de defensivos agrícolas no país. Os exemplos acima mostram o tamanho do desafio da prevenção e do controle de pragas, doenças e ervas daninhas nas propriedades rurais, assim como reforça o importante papel das novas tecnologias fitossanitárias para ajudar os agricultores a vencer esses desafios. No final, estamos falando em cumprir uma função essencial para o aumento da produtividade. São mais alimentos na mesa dos consumidores e mais commodities para o mercado internacional, fortalecendo a economia brasileira”, ressalta Julio Garcia.

MAIS ÁREAS TRATADAS – Os agricultores demandaram mais tecnologia dos defensivos agrícolas para o sucesso da agricultura. E tiveram de usar estratégias diferenciadas com produtos fitossanitários no manejo para a proteção dos seus cultivos. No cenário de doenças resistentes, o aumento de produtos de multisítio ou chamados de fungicidas protetores foram os mais utilizados. Essa crescente exigência de defensivos fez com que no 2º trimestre (abril a junho) a área tratada com defensivos crescesse 9,8%, atingindo 142,4 milhões de hectares – contra 129,8 milhões ha no mesmo período de 2019.

Em termos de faturamento em dólar, houve queda de 3,1%, atingindo US$ 1,36 bilhão, aponta o Sindiveg, esclarecendo que a desvalorização cambial é outro grande desafio para a indústria, que adquire insumos importados e ainda não conseguiu repassar integralmente o aumento desta variação integral ao mercado. “Vale lembrar o importante papel das indústrias de defensivos agrícolas como financiadoras da produção agrícola brasileira. Nosso prazo de financiamento médio atingiu 240 dias, aumentando mais de 20%. As empresas do setor agroquímico comprometeram-se e estão se esforçando muito para conseguir garantir recursos suficientes para financiamento do setor”, destaca o presidente do Sindiveg.

A cultura destaque do 2º trimestre do ano foi o milho safrinha, com crescimento de 83,6% na área tratada na comparação direta com abril a junho de 2019, atingindo 24 milhões de hectares. Em termos de produtos, os fungicidas apresentaram avanço de 8,6% sobre igual período de 2019. O uso de herbicidas foi 8,5% menor e o de inseticidas caiu 3,6%.

“O 2º trimestre do ano é o momento de plantio do milho safrinha. Os desafios desta cultura são vários, especialmente lagartas e percevejos. Motivados pelos bons preços do mercado global, os agricultores estão cultivando 14 milhões de hectares, área 3,9% superior à da safra anterior (13,5 milhões ha), aponta pesquisa feita para o Sindiveg por consultoria privada”, destaca Julio Garcia. A previsão é colheita de 73 milhões de toneladas.

Três produtos elevam a área tratada por defensivos

Soja (+33%), milho (+29%) e algodão (+18%) puxaram o crescimento da área tratada por defensivos agrícolas no acumulado de janeiro a junho de 2020. Segundo o Sindiveg, no período foram tratados 643,2 milhões de hectares, com crescimento de 6% sobre o 1º semestre de 2019. Em receita, o resultado foi de US$ 6,04 bi (2020) e US$ 6,03 bi (2019).

A soja é o cultivo que mais utiliza defensivos

Quanto aos produtos, no 1º semestre de 2020 os inseticidas representaram 36%, os fungicidas 33% e os herbicidas 22%. Mato Grosso foi o estado que mais demandou defensivos agrícolas no período, representando 28% do total, seguido por São Paulo (13%), Matopiba (12%), Paraná (10%), Goiás e DF (10%), Mato Grosso do Sul (8%), Rio Grande do Sul e Santa Catarina (8%) e Minas Gerais (4%).

“Uma análise mais ampla, como a do 1º semestre de 2020, permite visão mais clara do impacto do uso dos defensivos agrícolas nos mais diferentes cultivos, mostrando não apenas os maiores desafios fitossanitários, mas destacando o essencial papel dos defensivos para a agricultura brasileira”, ressalta o presidente do Sindiveg.

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal representa a indústria de produtos para defesa vegetal no Brasil há 79 anos. Reúne 26 associadas, distribuídas pelos diversos estados, que, juntas, representam aproximadamente 40% do mercado.

Fonte: Texto Comunicação Corporativa

Últimas notícias

Rastreabilidade do gado atende às exigências do mercado europeu e proporciona maior rentabilidade aos pecuaristas

O mercado internacional de carne bovina está em crescimento. Segundo o USDA, serão ...

Cinco plantas para melhorar a energia do lar

Elas servem para perfumar, embelezar e até mesmo para alimentar. Mas o que ...

Oeste da Bahia vai ampliar cultivo de cereais e pode ajudar autossuficiência do Brasil

A triticultura da região oeste da Bahia pode contribuir na busca por autossuficiência ...

Mundo digital é uma oportunidade de negócios no agro

O agronegócio avançou fortemente em termos de digitalização durante a pandemia do novo ...

Estudantes realizam ação de reflorestamento em Colatina

A atividade foi coordenada pelo Núcleo de Educação Ambiental e Agroecologia Estudantes e ...