Preço da cebola foi o maior dos últimos dois anos

Mesmo alcançando níveis históricos de preços, o valor da cebola pode começar a reduzir a partir de junho. No mês de maio, houve forte alta nas cotações do produto no comércio de hortigranjeiros do país devido ao encerramento da safra de Santa Catarina, que reduziu a quantidade enviada aos mercados. Somado a isso, o atraso na saída da cebola da região Nordeste e o fato das safras em Goiás (Cristalina) e no Triângulo Mineiro estarem ainda em seu início, contribuíram para a não redução dos preços desta cultura. Mas, a partir deste mês, o abastecimento da cebola é feito por várias regiões produtoras no país, com isso é esperado o aumento da oferta e a queda nos preços.

As análises são do 6º Boletim Prohort, divulgado ontem (18) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O estudo destaca ainda que as importações do bulbo tiveram grande incremento no mês de maio, indicando aumento no consumo. O volume passou de 48,4 mil toneladas para 74,3 mil toneladas, ou seja, 53% de aumento. Na comparação com o mesmo mês em 2019, a alta das importações é ainda maior, chegando a 124%.

O Prohort mostra que, além da cebola, outra hortaliça também demonstrou aumento significativo de preços nas centrais em maio: a batata chegou a subir 77% em Brasília/DF e 39% em Curitiba/PR. Nas cotações do mês, somente tomate e cenoura registraram queda, também no DF, PR, CE e outros estados.

FRUTAS – Com relação às frutas, houve redução para a maioria das Centrais de Abastecimento (Ceasas) analisadas, com exceção da melancia, que teve oscilações entre os mercados. O destaque maior foi para a redução nos preços da banana. Esse cenário ocorreu mesmo com algumas espécies no período de entressafra, como no caso da prata, e a menor produção da nanica.

Segundo o Boletim, a explicação está na demanda mais retraída, que pode ter sido influenciada pelas restrições de mobilidade, diminuindo o consumo em restaurantes, bares e feiras livres. Além disso, a suspensão das aulas nas unidades de ensino, devido à pandemia do novo coronavírus, também influenciou nessa retração, já que não houve aquisição dos produtos para a merenda escolar.

O volume acumulado de exportação de frutas no Brasil até maio de 2020 foi 6,8% menor em relação ao mesmo período de 2019. O valor medido em dólares diminuiu 15,41%. O destaque foi para o crescimento do volume das exportações de maçãs, limões, limas, banana e abacate, mesmo nesse cenário de crise.

Clique aqui para acessar a edição completa do Boletim Hortigranjeiro Junho 2020.

Fonte: Conab

Últimas notícias

Sustentabilidade no agronegócio é tema de webinar

Nesta quarta-feira (23), o Webinar BW TALKS recebe dois especialistas no agronegócio para tratar da ...

Agrofloresta diversifica produção e gera mais renda para a Agricultura Familiar

Sistema permite colheita o ano todo de diferentes culturas alimentares, enquanto produtor aguarda ...

Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha abre inscrições para as provas de velocidade

Haras Raphaela, em Tietê (SP), sediará competições do Quarto de Milha em quatro ...

Brasil exporta primeira carga de melão para China após acordo bilateral

Esta é a primeira fruta fresca brasileira exportada para o mercado chinês A ...

Edição 2020 da Corrida e Caminhada do Café será virtual

Atletas podem enviar registros de corridas em qualquer lugar para a organização do ...