Preço de soja sobe 39% e deixa avicultores e suinocultores capixabas apreensivos

Julio Huber

Os setores de avicultura e suinocultura do Espírito Santo estão apreensivos com a alta desenfreada do valor dos insumos usados para a produção de ração, como soja e milho. De acordo com o diretor executivo da Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (Aves) e da Associação de Suinocultores do Espírito Santo (Ases), Nélio Hand, a soja teve um acréscimo de 39% nos últimos 20 dias.

“Os setores estão preocupados, pois além da crise que estamos enfrentando devido ao coronavírus, que certamente trará prejuízos aos setores de avicultura e de suínos, agora temos essa situação que pode causar um caos na produção. Vemos que é especulação de mercado fazendo esses preços subirem repentinamente”, afirmou o representante dos segmentos.

De acordo com Hand, é preciso intervenção política para desacelerar os preços dos insumos. “O produtor já estava trabalhando no vermelho, pois os custos dos insumos estavam altos. Sabemos que o mercado de soja e milho está aquecido, as exportações estão crescendo, mas entendemos que nesse momento em que todos estão trabalhando para não desabastecer o mercado, necessitamos de uma intervenção urgente”, apela o diretor.

Segundo Nélio, o milho também está em crescente alta. “Sem dúvida um fato é a preocupação sobre o que pode acontecer após a pandemia do coronavírus passar. As empresas estão procurando os produtos e aquece o mercado mais ainda. O que não queremos e ver os produtores padecerem em função da alta dos preços causados por especulação”, destaca.

Para buscar uma saída para essa situação, representantes da Aves e da Ases estão entrando em contato com a bancada federal capixaba, em Brasília, para que a situação seja resolvida o mais rápido possível.

“Nos demais estados, os setores estão buscando alternativas também. Mas, esse assunto é preciso ser discutido diretamente com o governo federal, não cabendo ao Espírito Santo resolver essa questão, pois envolve outros estados”, informou.

As duas associações enviaram um ofício ao deputado federal Evair de Melo, explicando que o aumento exacerbado do preço da soja nas últimas semanas está encarecendo a produção carnes e ovos, trazendo risco de falência a muitos produtores e empresas do setor. O parlamentar garantiu que irá conversar com o governo federal sobre o assunto.  

Consumidor pode pagar mais caro em carnes e ovos

Com aumento no custo de produção de ovos e das carnes de frango e de suínos, representantes dos setores temem que o preço final do consumidor ficará mais alto, já que o custo adicional para a produção da ração terá que ser repassado ao preço das três proteínas ao mercado final.

“É uma consequência em cadeia, não tem como evitar. Lógico que haverá a questão de demanda e oferta, mas tentaremos minimizar os prejuízos que estamos tendo hoje. Os setores não gostariam de subir preços, pois estamos sensíveis a tudo o que o Brasil está vivendo. Sabemos que haverá consequências no futuro com relação ao emprego e renda, e o setor de alimentos deve ser um dos menos prejudicados, mas existe a preocupação de que os nossos setores também passem dificuldades diante desse cenário de oportunistas no aumento dos insumos”, lamenta.

Últimas notícias

Senar lança cursos gratuitos de drones e inseminação artificial. Inscreva-se!

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) lançou três cursos de curta duração, ...

Especialistas do Brasil e exterior debatem mercado halal

O fórum de negócios Global Halal Brazil ocorre na próxima semana e terá ...

Estados Unidos mudam regras para ingresso de cães procedentes do Brasil

Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, ...

Entidades afirmam que caso das búfalas de Brotas foge à regra dos produtores

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) publicou ...

Cadeia produtiva do leite é destaque em novo Boletim da Agricultura Familiar da Conab

Já está disponível, no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a publicação ...