Primeira cultivar de café conilon para o estado da Bahia é registrada

A Diretoria de Inovação Tecnológica (DIT) da Ufes conseguiu o registro de uma cultivar de Coffea canephora adaptada para o sul da Bahia, em altitude inferior a 500 metros. Batizada de Monte Pascoal, essa é a primeira cultivar de café conilon para o estado baiano. O Registro Nacional de Cultivares (RNC) é realizado no Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

As cultivares são espécies de plantas que foram melhoradas devido à alteração ou à introdução, pelo homem, de uma característica que antes não possuíam. Elas se distinguem das outras variedades da mesma espécie de planta por sua homogeneidade, estabilidade e novidade.

A cultivar de Coffea canephora Pierre ex A. Froehner (conilon ou robusta) é composta por seis genótipos/clones (AD1, AP, Imbigudinho, LB1, P2, Peneirão), que alcançaram a melhor produtividade dentre os 42 genótipos utilizados no experimento.

Segundo o professor do Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas do Centro Universitário Norte do Espírito Santo (Ceunes) Fábio Luiz Partelli, que coordenou a pesquisa, os trabalhos começaram em abril de 2014, numa parceria entre pesquisadores e produtores rurais. Foram plantados 42 genótipos de café conilon descobertos em lavouras capixabas em uma área no município de Itabela, na Bahia, num “ensaio de competição”, propagados por estacas, a aproximadamente 140 metros de altitude.

PRODUTIVIDADE – Os pesquisadores acompanharam a produção em quatro colheitas, nos anos de 2016, 2017, 2018 e 2019. A média das quatro colheitas dos seis genótipos foi de 129,97 sacas por hectare ao ano, enquanto a média dos demais genótipos foi inferior a cem sacas.

Dentre as características avaliadas na pesquisa, além da produtividade, para constituir a nova cultivar estiveram o sistema radicular, a maturação, o vigor e a resistência a pragas e a doenças.

Participaram do registro os engenheiros agrônomos Fábio Luiz Partelli (coordenador), André Covre, Gleison Oliosi e o produtor rural Daniel Covre.

“Nenhuma outra instituição havia, até então, feito estudo e registro de cultivar de conilon para o estado da Bahia. O registro é uma forma de atestar que esses seis materiais são os recomendados para a região pelas condições de adaptação ao local. A Bahia é o terceiro maior produtor de conilon do país, somente atrás do Espírito Santo e de Rondônia, daí a importância dessa pesquisa”, afirmou Partelli.

O professor informou que o mesmo experimento, com os 42 genótipos testados na Bahia, está sendo feito numa lavoura no município capixaba de Nova Venécia. Lá, porém, serão seis colheitas antes do pedido de registro da cultivar.

Fonte: Ufes

Últimas notícias

Investimentos em infraestrutura e redução do custo Brasil será tema de evento

tcdb374 Transporte de cavaco na Ferrovia Norte Sul. Viagem de Palmas-TO a Anápolis-GO. ...

Busca por experiências seguras e ao ar livre impulsionam turismo rural

Foto: Sidney Dalvi Hoje (27) é celebrado o Dia Mundial do Turismo. A ...

Ações somam quase R$ 900 milhões contra desmatadores da Amazônia

A Advocacia-Geral da União (AGU), por meio da Força-Tarefa em Defesa da Amazônia, ...

Cooperativas da agricultura familiar terão espaço na Ceasa para comercialização

Membros da equipe de trabalho da Organização e Sindicato das Cooperativas Brasileiras do ...

Federação da Agricultura defende reforma tributária que não aumente impostos para produtor

A reforma tributária está em discussão no Congresso Nacional e a Federação da ...