Produto que causou explosão no Líbano é fundamental para a agricultura brasileira

O nitrato de amônia é utilizado na produção de diverso fertilizantes importantes para a agricultura

Apontado como responsável pela explosão que destruiu o porto de Beirute, no Líbano, na última terça-feira (4), o nitrato de amônia é um componente fundamental para o cultivo agrícola no Brasil, já que é utilizado na composição de diversos fertilizantes há mais de 50 anos.

De acordo com o primeiro-ministro do Líbano, Hasan Diab, as explosões, que deixaram pelo menos 100 mortos e 4.000 feridos, foram causadas pela detonação de 2.750 toneladas de nitrato de amônia que estavam armazenadas no porto da capital libanesa.

O nitrato de amônia é um sal branco e inodoro usado como base para muitos fertilizantes nitrogenados em forma de grânulos, altamente solúveis em água e que os agricultores compram sacos de até 50 quilos, normalmente. Não são produtos combustíveis, mas sim oxidantes.

O Brasil é um dos líderes na produção mundial de alimentos, e a demanda dos agricultores é muito maior do que o país consegue produzir de nitrato (cerca de 500 mil toneladas por ano) e outros adubos químicos. Com isso, a maior parte dos fertilizantes precisa ser importada.

Segundo levantamento feito a pedido do site G1 pela consultoria especializada em agronegócio StoneX, o Brasil importou cerca de 1,2 milhão de toneladas de nitrato de amônio em 2019, cerca de 3% do que o país utiliza de fertilizantes. Nos 10 últimos anos, o volume variou acima do 1 milhão de toneladas, e o principal fornecedor tem sido a Rússia.

A explosão no porto de Beirute, no Líbano, deixou pelo menos 100 mortes e milhares de feridos

Foi o cientista Fritz Haber que conseguiu, no início do século XX, sintetizar a amônia. Apesar de não ser esse o propósito de Haber, sua descoberta permitiu aumentar a produtividade agrícola, já que a amônia é a matéria-prima de todos os fertilizantes nitrogenados.

“A síntese da amônia e a síntese da ureia são responsáveis por 40% da alimentação humana mundial”, diz o engenheiro agrônomo José Carlos Polidoro, pesquisador da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Solos e especialista em Adubação e Tecnologia de Fertilizantes. A síntese da amônia permitiu que todo o nitrogênio fornecido para as plantas fosse veiculado através de fertilizantes.

O nitrogênio é um elemento essencial para toda planta. Tirando o carbono, o hidrogênio e o oxigênio, que vêm do ar e da água, ele é o nutriente de maior concentração na planta. Como as plantas não conseguem pegar nitrogênio do ar, ela tem que receber nitrogênio de alguma fonte, e a principal fonte é o fertilizante.

Segundo o professor de química da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP), Marcos Kamogawa, o nitrato de amônio é uma substância segura e indispensável para agricultura, sendo fonte de cerca de 12% do nitrogênio usado na agricultura em 2018. “Esse material diluído, com porcentagens na ordem de 20% de nitrogênio, possui chance de explodir próxima de zero. Precisa de temperaturas muito elevadas, que foi o caso no Líbano, e quando há presença de matéria orgânica, como carbono, ele aumenta ainda mais o processo de explosão”, ressalta o professor da Esalq.

No Brasil, a compra e venda de nitrato de amônio e o seu armazenamento é regulado pelas forças armadas, com normas atualizadas em abril deste ano. As novas regras editadas pelo Ministério da Defesa retiraram a isenção de registro de Organização Agrícola junto ao comando do Exército.

Com isso, desde abril deste ano, as empresas agrícolas que precisam importar o nitrato de amônio em grau técnico, usado tanto na produção de fertilizantes quanto de explosivos, só poderão fazê-lo “na forma embalada a fim de possibilitar a rastreabilidade do produto; minimizar os riscos de contaminação, de degradação por ciclagem térmica ou de absorção de umidade, fatores que podem aumentar a sensibilidade do produto”.

De acordo com relatório divulgado pela Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo), em 2019 as alterações levaram a uma queda de 20% nas importações brasileiras de nitrato de amônio em 2018, para 1 milhão de toneladas, ante um crescimento de 22% nas aquisições de Sulfato de Amônio.

A Associação Nacional para Difusão do Adubo (ANDA) ressaltou, em uma nota de esclarecimento para a imprensa, a segurança do uso do nitrato de amônia no Brasil. “Todos os fertilizantes à base de nitrato de amônio são, em condições normais, substâncias estáveis que por si próprias não apresentam risco e não são inflamáveis”.

“O composto é um produto químico de fundamental importância para o desenvolvimento da qualidade de vida das pessoas, com a aplicação na agricultura como fertilizante, matéria-prima para fabricação de gases anestésicos, tratamento de esgotos e produção de explosivos civis”, destacou a nota da ANDA.

Com informações: G1

Últimas notícias

Tratoraço reúne mais de dois mil veículos contra taxação do ICMS

Um tratoraço realizado na manhã de ontem (14), na Avenida Coronel Marcondes, em ...

Valor da Produção Agropecuária de 2020 é o maior da história

Foto: Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil A carne bovina foi um ...

Conab vende mais de 140 mil toneladas de milho para pequenos criadores em 2020

A comercialização de milho dos estoques do governo federal pôde beneficiar mais de ...

Projeto faz reúso de água para produção de alimentos

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) ...

Idaf registra primeira agroindústria de 2021 em Ibitirama

Uma queijaria de Ibitirama foi o primeiro estabelecimento de 2021 registrado junto ao ...