Produtores recebem apoio técnico para impulsionar criação de ovinos e caprinos no sertão nordestino

A robustez natural de caprinos e ovinos e sua capacidade de sobreviver em ambientes com deficiência de água torna esses animais a escolha mais lógica para os produtores do semiárido brasileiro. Tanto que no Ceará um dos carros-chefe da agricultura familiar no estado é a ovinocaprinocultura. Mas, isso não garante automaticamente aos criadores bons resultados na criação. Para isso, a cooperação entre Prefeitura e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) tem importância significativa e começa a dar resultados, como produções maiores e animais sadios. 

O município de Senador Sá, na região norte do Ceará, serve de exemplo para todo o nordeste. Um dos resultados da colaboração entre a Prefeitura de Senador Sá e o Senar é o melhoramento genético para aumentar o peso da carcaça do rebanho, além do manejo da propriedade e treinamento da produção. O objetivo é contribuir para a redução da pobreza das populações rurais do semiárido, aumentando as principais atividades produtivas e fortalecendo a organização dos produtores.

Continua após o anúncio

Daniel Bastos, zootecnista do SENAR, destaca os avanços dessa parceria e os benefícios para os produtores. “Hoje nós conseguimos além de aumentar a produção, ter animais geneticamente melhores, temos um custo de produção menor, o que possibilita ao produtor entregar uma carne com alto valor nutricional e com um preço acessível”, afirma.

Além das visitas técnicas, que duram em média quatro horas em cada propriedade, os produtores recebem capacitação por meio de cursos com o objetivo de melhorar o dia a dia do homem do campo. O chefe de comunicação do município de Senador Sá, Janiel Kempers, pontua o motivo pelo qual a tanto interesse no aumento da produção.

“Nós queremos que o homem do campo possa ter sua independência, que cresça, e por meio de uma produção melhorada geneticamente, redução de custos e apoio técnico que temos dado em parceria com o Senar. Nosso produtor terá a possibilidade de escalar ainda mais sua produção e consequentemente ter um rendimento maior. É assim que estamos diminuindo a taxa de desemprego que existia, fazendo com que nossa população se ocupe com nossa maior riqueza: o campo”, afirma.

A produção de ovinos e caprinos é insuficiente para atender à demanda interna no Brasil e resulta em significativa importação de produtos de ovinos. Para os produtores do semiárido brasileiro, essa situação demonstra o grande mercado em potencial que pode ser trabalhado e abastecido. Hoje o nordeste brasileiro é responsável por 57% da produção de ovinos e 91% da produção de caprinos, segundo dados coletados pela Animal Nutrition Competence (Anco).

Fonte: Boom Press

Últimas notícias

Até quando vai o frio?

De acordo com a Climatempo, a posição da massa de ar polar ainda ...

Exportações do agronegócio em abril alcançam recorde para o mês

As exportações do agronegócio brasileiro em abril totalizaram US$ 14,86 bilhões, valor recorde ...

Crimes ambientais são flagrados e embargados em Marechal Floriano

Uma nova fase da “Operação Curupira”, que visa coibir crimes ambientais no Espírito ...

Campanha promove alimentos orgânicos em todo o Brasil

A campanha visa estimular o conhecimento e o consumo de produtos orgânicos O ...

História do cooperativismo cafeeiro capixaba é destaque na biblioteca do Incaper

A biblioteca do Incaper serviu como base para revisões bibliográficas, fontes de dados ...